1x00: "PILOT" (EPISÓDIO PILOTO)


Começando com um texto que diz que a história foi "inspirada em acontecimentos reais e documentados", esta primeira hora é uma espécia de mapa rodoviário que a série deve seguir, introduzindo os novos personagens e a intriga governamental. O episódio abre com um seqüestro alienígena, quando uma garota é encontrada morta nas florestas do Oregon, com duas marcas muito peculiares nas costas.

 

Enquanto isso, em Washington DC, Dana Scully, uma médica que já trabalha há dois anos no FBI, reúne-se com seus superiores (um dos quais é o Canceroso, que permanece em silêncio durante toda a cena). Perguntam a Scully se ela já ouviu falar de Fox Mulder, psicólogo formado em Oxford, reconhecido como o melhor investigador criminal do bureau, mas que ganhou o apelido de "O Estranho", por causa de sua obsessão com os fenômenos paranormais. Mulder assumiu o que a ela dizem serem projetos situados fora da principal linha de ação do bureau, conhecidos como os "Arquivos X", e pedem a Scully que se torne parceira dele, para informar se existe alguma coisa que sirva para consubstanciar o trabalho que Mulder faz.

 

A princípio Mulder não confia em Scully dizendo ter "a impressão de que você foi mandada para me espionar". Ele já investigou o histórico dela, e menciona sua tese de doutorado, "O Paradoxo dos Gêmeos de Einstein: Uma Nova Interpretação". Quando ela pergunta, meio irritada, se ele se deu ao trabalho de ler a tese, ele garante que sim. "Só que, na maior parte do trabalho que faço", acrescenta ele, com um sorriso irônico, "as leis da Física quase nunca se aplicam". No dia seguinte os dois partem para investigar uma série de assassinatos de jovens no Oregon, em Dakota do Sul e no Texas, que Mulder acredita estarem relacionados com seqüestros e experiências alienígenas.

 

No Oregon, quatro colegas de uma mesma classe foram encontrados mortos perto da floresta, cada um com as estranhas marcas nas costas. O corpo de uma das vítimas é exumado, mas dentro do caixão só se encontra uma figura inumana, parecida com o cadáver de um macaco, encolhida e com um estranho pedaço de metal na sua cavidade nasal. Entre os outros jovens, um é o filho do xerife e tornou-se quase um vegetal, e outro está confinado a uma cadeira de rodas.

 

Mulder coloca sua teoria sobre abdução, enquanto Scully afirma que "deve haver uma explicação" de natureza mais terrena. Mais tarde, os dois são ofuscados por um clarão repentino, nove minutos são perdidos sem que se consiga explicar a razão, e outro jovem aparece morto. De volta ao hotel, Scully nota um par de marcas em suas costas e, com medo de que sejam idênticas àquelas encontradas no corpo da garota morta, corre para o quarto de Mulder. Ele garante que são apenas mordidas de pernilongos, e passa a explicar o motivo de sua obsessão - conta como sua irmã foi seqüestrada quando estava com oito anos de idade, e que o incidente "desfez minha família". Seu sucesso como investigador, e seus "contatos no Congresso", diz ele, "me permitem uma certa liberdade para tratar dos meus interesses", apesar dos esforços feitos para obstruir o seu trabalho. Logo depois ocorre um incêndio no hotel onde estão hospedados, destruindo as provas relativas ao corpo exumado, e dando crédito à paranóia de Mulder.

 

Mulder e Scully descobrem que Billy, o filho do xerife, na verdade é a força que age por trás dos assassinatos - os alienígenas implantaram alguma coisa em sua cabeça que o deixou quase em coma, para ele ser despertado quando necessário. Os agentes encontram Billy e seu pai na floresta e, no meio de um forte clarão de luz, o rapaz de repente fica normal outra vez - e as duas marcas desaparecem.

 

Scully diz aos superiores que acredita na teoria de Mulder, mas não tem como prová-la, a não ser com uma única amostra de evidência, ou seja, o cilindro encontrado no nariz do cadáver, que Scully guardou no bolso da jaqueta. Perguntada sobre o ponto de vista de seu novo parceiro a respeito de tudo isso, Scully simplesmente diz: "O agente Mulder acha que não estamos sozinhos".

 

Mulder telefona para dizer a Scully que todos os registros do caso foram destruídos, enquanto o Canceroso é visto guardando em uma prateleira o aparelhinho alienígena que Scully deu ao bureau, ao lado de outras provas do mesmo tipo, em um enorme depósito do Pentágono. Parece que pelo menos uma parte da verdade está ali.

 

Bastidores

Em sua maior concessão a uma programação baseada na realidade, o piloto é precedido por um texto que diz: "O programa a seguir foi inspirado em acontecimentos reais e documentados". O produtor executivo Chris Carter considera a cena em que Scully se refugia no quarto de Mulder, usando apenas um penhoar, como um momento-chave para "estabelecer mesmo o que eu estava tentando estabelecer" quanto à natureza platônica do relacionamento entre os dois. "Adoro aquela cena", diz ele. O roteiro originalde Carter também mostra Scully na cama, no final do episódio, com o namorado, chamado Ethan Minette, cena essa que acabou sendo cortada. Nela, o relógio do quarto mostra 11h21, número que vai aparecer várias vezes na série, já que é o dia do aniversário (21 de novembro) da mulher de Carter, Dori.

 

* Também vale mencionar que o dr. Heitz Werber, hipnoterapeuta que entrevista Billy no final, é o mesmo que originalmente fez regressão hipnótica com Mulder, permitindo-lhe lembrar-se do seqüestro da irmã.

* No roteiro original, em um certo momento, Mulder e Scully literalmente uivam para a Lua.