1x07: "ICE" (TERROR NO GELO)


Uma equipe mandada para fazer perfurações no centro do gelo do Ártico pára de fazer suas transmissões, depois que um dos seus membros, em seu último contato, diz, olhando para a câmera: "Não somos quem somos. As coisas não vão além disso". Então ele é atacado por outro homem e os dois ficam de frente, com armas apontadas, antes de virarem as armas para si mesmos e dispararem.

 

Mulder e Scully reúnem trêm médicos e cientistas - os drs. Da Silva, Murphy e Hodge - além de um piloto chamado Bear, para voarem para a região antes da próxima tempestade do Ártico. Eles chegam e encontram os cientistas mortos, assim como um cachorro, que ataca Mulder e morde Bear quando este tenta ajudar. Tranquilizando o cachorro, eles conseguem ver alguma coisa movendo-se por baixo da pele do animal, ao mesmo tempo em que Bear percebe que tem as mesmas protuberâncias escuras encontradas no cachorro.

 

Scully encontra amoníaco no sangue das vítimas, assim como uma pequena criatura unicelular, que ela acredita ser um animal maior, no seu estágio inicial de larva. Mulder diz que, se eles foram expostos a algum organismo desconhecido, devem ser empregados os procedimentos de quarentena, mas Bear é contra, atacando Mulder antes de ser derrubado por Scully. Quando eles o prendem, observam e retiram-lhe um verme de aparência muito estranha, que se movimenta por baixo da pele de Bear, na base do seu pescoço, e que causa sua morte.

 

Mulder tenta comunicar-se por rádio para pedir ajuda, mas recebe a informação de que estão isolados pela tempestade, que vai durar vários dias. Eles descobrem que o verme penetra na glândula hipotálamo, no cérebro, causando comportamento agressivo no hospedeiro. Mulder indaga se não devem matar o verme, dizendo que provavelmente ele veio para a Terra procedente de outro planeta - onde existe vida sustentada pelo amoníaco - cerca de 250 mil anos antes de ser coberto pelo gelo. Scully diz que o verme tem de ser destruído.

 

Os cinco sobreviventes se entreolham assustados, tentando imaginar quem teria sido infectado. Mulder desperta e encontra o corpo de Murphy enfiado em um armário, com a garganta cortada, transformando-se no principal suspeito. De arma em punho, Scully junta-se aos outros para trancar Mulder em uma sala. "Aqui eu vou estar mais seguro do que você", ele adverte.

 

Examinando uma amostra de sangue, Scully descobre que, quando as larvas de dois vermes diferentes invadem o mesmo hospedeiro, elas se matam, e experimenta sua teoria injetando um verme adulto no cachorro, o que faz o animal ficar curado.

 

Embora Hodge e Da Silva pretendam usar o mesmo processo em Mulder, Scully está convencida de que ele não foi infectado e o põe em liberdade. Mas os outros conseguem separá-los e atacam Mulder - preparando-se para enfiar o verme restante em sua orelha, quando Hodge percebe alguma coisa movendo-se sob a pele da dra. Da Silva. Mulder a derruba, e eles implantam a criatura na cientista.

 

Depois que são resgatados, Mulder quer voltar para a base para estudar a criatura, mas é informado de que os militares incendiaram o lugar depois que ele foi evacuado. Ele diz a Scully que a coisa ainda está lá, há 200 mil anos debaixo do gelo. "Deixe-a ficar lá", responde ela.

 

Bastidores

Existem algumas semelhanças entre este episódio e A Coisa (The Thing), assim como o conto de John W. Campbell, Jr., Who Goes There?, em que A Coisa foi baseada, visto que Terror no Gelo isola os personagens, em um espaço confinado, juntamente com um assassino, que pode ser um qualquer deles. No entanto, a idéia para este episódio na verdade só se desenvolveu quando Glen Morgan leu um artigo na revista Science News, sobre "uns caras na Groenlândia que desenterraram alguma coisa de 250 mil anos de idade, que estava debaixo do gelo". Para dar ao FBI um motivo para envolver-se na investigação, o ponto da descoberta foi mudado para o Alaska.

 

O episódio acabou sendo o ponto alto da carreira de Toby Lindala, especialista em efeitos especiais de maquiagem, que recebeu esta importante responsabilidade no programa e acabou sendo contratado como supervisor geral de efeitos especiais de maquiagem da série. Lindala lembra-se de ter suado muito durante o processo de criação, quando vivia rasgando a prótese que usava para criar o efeito de verme movendo-se por baixo da pessoa. "As mãos dele tremiam com vara verde, e ele ficou muito nervoso", recorda Morgan.

 

O verme espacial ainda é um dos maiores sucessos na categoria de cenas demoradas, em parte porque os produtores conseguiram fazer uma coisa que não acreditavam ser possível. Morgan admite que o plano original era deixar que uma das cenas envolvendo a criatura fosse um pouco longa - cerca de quatro segundos - "imaginando que o departamento de padrões e práticas da Fox a acabaria cortando, mas eles nem tocaram na cena".

 

* Blue, a mestiça de collie de David Duchovny, é filhote da cachorrinha mostrada neste episódio.