1x12: "BEYOND THE SEA" (O VIDENTE)


Scully acorda e vê seu pai sentado na sala de visitas. A imagem desaparece de um momento para outro, e sua mãe chama para dizer que o pai acaba de morrer de um ataque cardíaco fulminante.

 

Enquanto isso, dois colegas estudantes são seqüestrados, e o assassino que está no corredor da morte, Luther Lee Boggs - condenado a morrer na cadeira elétrica em parte por causa do perfil traçado por Mulder - diz que tem habilidades psíquicas e que as usará para ajudá-los a encontrar os dois desaparecidos, em troca de um adiamento de sua execução. Mulder tem suas dúvidas, achando que Boggs orquestrou os seqüestros para salvar a própria vida. "Não me interprete mal, Luther. Eu quero acreditar", diz Mulder, irônico.

 

No entanto, Scully está pronta para abrir-se para o que Mulder chama de "extremas possibilidades" quando Boggs começa a cantarolar "Beyond the Sea" - a música tocada no enterro do pai dela - e a chama de Starbuck, o apelido que o pai lhe dera. Agindo de acordo com informações de Boggs, Scully descobre pertences das vítimas no local que ele havia descrito. "Como é que não acredita em mim?", ele pergunta a Mulder, depois que tentam pregar-lhe uma peça com um jornal falso, que diz que os estudantes foram encontrados. "A agente Scully acredita".

 

Boggs também avisa Mulder sobre uma cruz branca, e quando o FBI ataca o esconderijo onde estão os reféns, Mulder é ferido e seu sangue espirra sobre uma cruz branca. A garota é salva, mas o rapaz e o suspeito - Lucas Henry, conhecido cúmplice de Boggs - continuam desaparecidos.

 

Scully enfrenta Boggs, que conta um episódio ocorrido na infância dela. Ele diz que a deixará conversar com o pai e salvará o rapaz, se não for executado, mas "ninguém diz nada, até que eu seja atendido".

 

Scully diz que fará o acordo, e mesmo sabendo que ele está mentindo, Boggs lhe conta onde está o rapaz seqüestrado. O jovem é salvo e Henry morre, enquanto Scully sobrevive, em parte por causa das palavras de aviso de Boggs.

 

Boggs diz a Scully que entregará a mensagem do pai dela antes de ser executado. Em vez de ir ver Boggs, ela vai visitar Mulder no hospital. Mulder desperta, perguntando a Scully por que ela não fora falar com Boggs, e por que ela não se abre para a possibilidade de acreditar. "Tenho medo de acreditar", confidencia ela. Quando Mulder responde, dizendo que, por não ter ido, ela agora não sabe qual era a mensagem, Scully responde: "Mas claro que sei: ele era meu pai".

 

Bastidores

Sheila Larken, que desempenhou o papel de Margaret, mãe de Scully, em vários episódios, é esposa de R.W. Goodwin, co-produtor executivo de Arquivo X. Don Davis, que faz o papel de pai de Scully, é um dos ex-integrantes do elenco de Twin Peaks que já apareceram na série, junto com David Duchovny, Jan D'Arcy (Eugene Tooms Volta a Atacar), Michael Horse (A Besta Humana), e Michael Anderson (o anão que aparece em A Fraude). Duchovny chamava Horse e Anderson de "grande Michael e pequeno Michael".

 

Os dois nomes dos assassinos em série, "Luther Lee Boggs" e "Lucas Henry", fazem lembrar o nome do assassino em série da vida real Henry Lee Lucas. O Vidente permanece como favorito pessoal do produtor executivo Chris Carter e da estrela Gillian Anderson, no caso dela em virtude das profundas emoções que o roteiro deu à personagem.

 

* Na cena em que o capitão Scully é focalizado no apartamento da filha Dana Scully movendo os lábios, na verdade o ator Don Davis estava rezando o Pai-Nosso.