1x20: "TOOMS" (EUGENE TOOMS VOLTA A ATACAR)


Tooms - o mutante genético que mata cinco pessoas a cada 30 anos para extrair o fígado delas - está preso em um sanatório, onde chega o momento de sua liberdade condicional, motivada pelos resultados de uma audiência de caráter psiquiátrico.

 

Seu compadecido psiquiatra insiste perante a junta da condicional que Tooms foi reabilitado, e já não representa mais um perigo para a sociedade. Mulder também depõe mas, apesar dos sinais de Scully no sentido de suavizar suas palavras, assusta os membros da junta ao dizer que Tooms é um mutante genético de mais de 100 anos de idade, que precisa alimentar-se de fígados humanos. Pensando que talvez seja Mulder que deva ser internado numa instituição mental, a junta decide libertar Tooms, apesar das insistentes advertências de Mulder de que Tooms deve ser mantido preso, para segurança do público. "Se Eugene Tooms for libertado, ele matará de novo", insiste inutilmente Mulder. "É parte da sua estrutura genética".

 

Enquanto Mulder observa Tooms, Scully recebe ordens do diretor assistente Skinner (que tem o Canceroso silenciosamente ao seu lado) para agir "de acordo com o manual". Na investigação do caso, Scully volta a falar com Frank Briggs, o detetive que havia originalmente investigado Tooms. Durante as buscas, eles encontram os restos de uma vítima até então considerada como desaparecida - e que haviam sido escondidos por Tooms 60 anos antes.

 

Seguindo Tooms, Mulder adormece, mas acorda a tempo de impedir uma tentativa de assassinato, com Tooms conseguindo fugir ao espremer-se por entre as barras da janela. Embora continue sua vigilância, Mulder diz a Scully que ela não deveria envolver-se, porque o Bureau está procurando uma desculpa para fechar os Arquivos X e a carreira dela poderia sofrer com isso, junto com a dele.

 

Por insistência de Scully, Mulder vai para casa descansar. Ela chega a chamá-lo de Fox, ao que ele responde: "Até os meus pais me chamavam de Mulder". Ele sai contra a vontade - com Tooms escondido no porta-malas de seu carro. Entrando no apartamento de Mulder por uma passagem de ar, Tooms apanha um dos sapatos do agente, enquanto ele está dormindo - e a televisão mostra o original do filme A Mosca de Cabeça Branca (The Fly) - e machuca seu próprio rosto, acusando Mulder de haver batido nele. Skinner aconselha Mulder a tirar umas férias e o proíbe de chegar perto de Tooms.

 

Um cuidadoso exame do esqueleto da vítima de 1933 mostra sinais dos dentes de Tooms nos ossos. Enquanto isso, o psiquiatra que havia lutado pela libertação de Tooms vai visitá-lo, e acaba se transformando em sua quinta vítima.

 

Ao encontrar o cadáver, Mulder e Scully se dão conta de que Tooms vai voltar para casa para recomeçar sua hibernação. No lugar do prédio de apartamentos abandonado que ele havia ocupado antes, agora existe um shopping center, e Mulder entra por baixo das escadas rolantes, encontrando Tooms em seu ninho. Conseguindo libertar-se, e com Tooms em sua perseguição, Mulder liga a escada rolante, matando Tooms esmagado entre as engrenagens.

 

Skinner lê o relatório e pergunta ao Canceroso se ele acredita: "Claro que acredito", responde ele. Lá fora, Mulder olha para o casulo de uma taturana. "Mudanças à vista", diz ele, preocupado... para os Arquivos X.

 

Bastidores

Os produtores Glen Morgan e James Wong geralmente escrevem roteiros de episódios com base em certos conceitos visuais momentâneos, como aconteceu no caso do episódio original de Assassino Imortal. Aqui, Morgan diz que saiu para fazer compras de Natal em um shopping de Los Angeles e viu o pessoal da manutenção trabalhando em uma escada rolante, que estava aberta, mostrando todo o seu mecanismo. Isso o levou a considerar a assustadora possibilidade de um mito urbano provocado por algum tipo de monstro que vive escondido em uma escada rolante. E aí ele pensou: quem seria melhor para fazer isso do que Eugene Tooms? "E as coisas passaram a funcionar daí para trás", diz ele.

 

Eugene Tooms Volta a Atacar marca o primeiro reaparecimento de um vilão na série, mas este episódio também é digno de nota por ter sido aqui que apareceu pela primeira vez o diretor assistente Skinner (que só volta a ser visto de novo no ano seguinte), interpretado pelo ator Mitch Pileggi, além de ter mostrado a primeira fala do Canceroso. Os produtores brincam dizendo que, até então, nem sabiam se o ator William B. Davis podia falar, mas que ficaram maravilhados com a profundidade que ele deu ao seu papel.

 

O ator convidado Doug Hutchison foi quem sugeriu ser mostrado nu na cena final, debaixo da escada rolante. "Eles cobriram meu corpo com Karo e corantes artificiais para alimentos", lembra ele. "E estava muito frio! Além disso, eu vivia grudando nas paredes". Apesar do seu sangrento final, Hutchison já apareceu em várias convenções de fãs de Arquivo X para fazer lobby por seu retorno à série.

 

* Henry Beckman, que apareceu em Assassino Imortal, retorna como o detetive Frank Briggs.