1x21: "BORN AGAIN" (VOLTA DO ALÉM)


Uma menina perdida é levada a um distrito policial e colocada em uma sala de interrogatório com um investigador chamado Barbala. Instantes depois, ele cai morto.

 

Outro investigador chama Mulder. Quando eles conversam com a mãe da criança, a mulher diz que já contratou quatro babás e que "algumas vezes ela me assusta... Ela enxerga coisas que eu não posso ver".

 

Michelle, a menina, diz que viu um homem em seu quarto, e sua descrição combina com a de outro investigador, chamado Charlie Morris, que morrera nove anos antes. "Isso significa que a menina viu um fantasma", sugere Mulder.

 

As provas indicam que Michelle, que tem 8 anos de idade, pode ser o espírito reencarnado de Charlie Morris, que morreu mais ou menos na mesma época em que ela foi concebida. A menina é dotada de poderes psicocinéticos, e tem o costume de mutilar suas bonecas do mesmo modo como Morris foi morto. Ela também aparece na cena de um acidente que resulta na morte de outro ex-policial, o parceiro de Barbala, que encontra a morte quando seu cachecol fica preso em um ônibus e ele é arrastado pelo veículo. Mulder observa que a reencarnação é um dogma de muitas das principais religiões, e que os cientistas "estão a um passo de provar a pré-existência da alma humana".

 

Barbala, parceiro desta última vítima, e Fiore, ex-parceiro de Morris, todos haviam estado envolvidos no assassinato de Morris. Usando dos seus poderes, a menina captura Fiore e está a ponto de matá-lo - destruindo a casa com a força de sua mente -, quando Mulder e Scully entram de repente e convencem Michelle/Morris a não cometer o crime. Tudo acaba em um piscar de olhos, quando Fiore admite ter sido cúmplice no assassinato de Morris, enquanto a garota já não se lembra mais do que aconteceu. As duas mortes são consideradas acidentais, e a mãe de Michelle proíbe que ela continue sendo investigada. Apesar das objeções de Mulder, o caso é encerrado.

 

Bastidores

Tratando da reencarnação, Volta do Além é outro episódio que ficou aquém das expectativas dos produtores. O sentimento geral é de que a premissa talvez tivesse sido parecida demais com os temas de transferência ou possessão da alma já tratados em alguns dos programas de TV apresentados na mesma faixa de horário. "Acho que o ímpeto foi o desespero", argumenta o produtor Howard Gordon, acrescentando que, numa análise final, o episódio transformou-se em um pouco de "exposição demais dos policiais" para o seu gosto.

 

* Esta foi a primeira vez que Mulder contou a história. Em vez de Scully digitando relatórios no computador, podemos vê-lo escrevendo a mão num diário de campo; no lugar da voz de Scully, ouvimos a conclusão de Mulder.