2x19: "DOD KALM" (O NAVIO FANTASMA)


Os soldados abandonam um contratorpedeiro da Marinha dos Estados Unidos e, 18 horas depois, os membros restantes da tripulação são encontrados em um barco salva-vidas, enrugados e envelhecidos. Mulder diz que o barco tinha ficado desaparecido durante 42 horas antes que os sobreviventes tivessem sido localizados. Mas, quando Scully espia para ver um deles, o homem, que tem 28 anos de idade, "parece ter 90".


Mulder diz que foram registrados desaparecimentos de navios em 1949 e em 1963, com um total de nove episódios semelhantes ocorrendo naquela mesma área, ao longo do paralelo 65. Ele acredita que o governo - baseado na Experiência de Philadelphia - estaria tentando manipular certas coisas na Terra. "Aposto que os militares nunca deram fim ao trabalho começado há 50 anos", sugere ele.

 

Viajando para a Noruega os agentes encontram um comandante de navio chamado Henry Trondheim, que os leva ao contratorpedeiro. Eles batem contra o navio e sobem a bordo do casco, que mostra sinais de corrosão, como se houvessem se passado 20 ou 30 anos. "É um navio fantasma", diz Trondheim, até ver uma placa que diz: "Lançado em 1991". Mulder e Scully encontram cadáveres mumificados, no mesmo instante em que o barco de Trondheim parte às pressas, deixando-os para trás. Mulder acredita que o tempo está passando de maneira acelerada a bordo do navio.

 

O imediato de Trondheim é morto, e eles encontram o comandante do contratorpedeiro, capitão Barclay, um homem de 35 anos de idade que logo morre de velhice. Trondheim é então atacado por um caçador de baleias pirata chamado Olaffson, que não mostra ter problemas com o envelhecimento.

 

Mulder, Scully e Trondheim deitam-se para descansar e, quando despertam, descobrem que estão 30 anos mais velhos. Scully levanta a teoria de que o processo possa estar relacionado com radicais livres - reagentes químicos que contêm uma quantidade maior de elétrons e que ataca o DNA e as proteínas, levando o corpo a envelhecer. Ela imagina que o navio poderia estar derivando na direção de um meteoro caído no fundo do oceano, ou de um iceberg, que funcionaria como uma gigantesca bateria, fazendo com que eles envelheçam rapidamente.

 

No entanto, Mulder logo percebe que o verdadeiro problema reside na água contaminada, estando a única água aproveitável armazenada no sistema de esgotos do navio, que vem mantendo Olaffson vivo. Scully descobre que eles estão com uma concentração de sal elevada demais nos seus sistemas, sendo mais sério o caso de Mulder - que vem sofrendo de enjôos e portanto está desidratado. "Acho que acabo de passar George Burns em idade", brinca ele, sem forças.

 

Trondheim não quer desperdiçar água com ele, e tranca-se no tanque de esgoto, com o restante da água disponível. Mas se afoga quando o navio balança e a água do mar entra no aposento.

 

Mulder resmunga sobre o destino deles, enquanto Scully, sentindo-se à beira da morte, diz: "De uma coisa estou certa sobre esta vida: não teremos nada a temer quando ela acabar". Ele perde a consciência enquanto Scully rabisca seus pensamentos finais.

 

Ela desperta num hospital, tendo sido encontrada por mergulhadores da Marinha. Um médico conseguiu salvá-los graças às informações que Scully colocou em seu caderno de notas. Ela é informada de que o contratorpedeiro naufragara, menos de uma hora depois de terem sido resgatados.


Bastidores


Embora os produtores e atores tivessem pensado que este episódio seria uma espécie de descanso - com apenas uma locação onde filmar e um elenco bem pequeno para dirigir, O Navio Fantasma foi enormemente difícil para todos do ponto de vista da produção.

 

A idéia foi montada ao redor do fato de que, por algumas semanas, a série teve acesso a um contratorpedeiro da Marinha canadense que já havia sido usado em episódios anteriores. Howard Gordon foi solicitado a produzir um roteiro que tinha o navio como cenário. "Vai ser um grande descanso para todos", ele se lembra de Chris Carter ter dito.

 

Infelizmente, durante a filmagem, estava extremamente frio a bordo do navio, de maneira que ficou muito difícil preparar certas tomadas, enquanto as pessoas viviam batendo a cabeça contra o teto. Além do mais, em determinados dias, os atores tiveram de suportar três ou quatro horas de maquiagem, antes das filmagens, para as seqüências que mostravam seu envelhecimento. "Todo mundo ficou bastante cansado", reclama Gordon, que escreveu o roteiro com seu antigo parceiro Alex Gansa, achando que a necessidade de os atores chegarem cedo para a maquiagem "foi a pior coisa que eu poderia ter feito a eles".

 

Como resultado disso, foi gravada uma tomada onde Gillian Anderson, com a espessa camada de maquiagem no rosto e fazendo seu monólogo sobre o fato de não terem nada a temer depois da morte, conclui a seqüência afirmando estar aboslutamente certa de uma coisa: "Howard Gordon é um homem morto!".

 

· Até o final da 2a. temporada, já tinham aparecido na série 13 idiomas diferentes, além do inglês: francês (Ossos Frescos), criolo (Ossos Frescos), russo (O Hospedeiro), italiano (Anasazi), japonês (Anasazi), romeno (Os Calusari), transilvano (A Trindade), latim (Os Adoradores das Trevas), navajo (Anasazi), espanhol (Homenzinhos Verdes), alemão (Os Adoradores das Trevas) e norueguês (O Navio Fantasma).


* "Experiência de Philadelphia" é o nome dado a um suposto teste com campos magnéticos, capazes de produzir a invisibilidade de um navio, que teria sido executado em 1943. Dizem que o navio e sua tripulação continuara a aparecer e desaparecer, portanto não puderam cessar seus efeitos.