4x24: "GETHSEMANE" (A MAIOR DAS MENTIRAS)


Scully entra no apartamento de Mulder onde um grupo de detetives e técnicos estão esperando ela. O detetive Rempulski se apresenta, e levanta uma folha de papel que está em cima de um corpo. Scully identifica a vítima positivamente. Depois, Scully aparece em uma reunião com funcionários do FBI que é conduzida pelo chefe de seção Scott Blevins. Durante a reunião, Scully conta como, quatro anos antes, Blevins a nomeou em um projeto chamado Arquivo X. Ela declara que o propósito da reunião é mostrar a ilegitimidade do trabalho de Mulder.

Em retrospecto, um par de antropólogos, Arlinsky e Babcock, estão voando de helicóptero para um acampamento na neve que está na base de uma montanha. Acompanhado por um guia, os dois andam em um terreno íngreme. Ao alcançarem o resto do grupo, os homens entram em uma caverna onde um corpo de um possível alienígena cinza está perfeitamente conservado no gelo.

Um grupo de convidados está na casa da sra. Scully para um jantar. Entre os convidados está o irmão de Scully, Bill Scully Jr., e um padre católico, o padre McCue. Scully percebe que sua mãe convidou o padre com a finalidade de discutir a sua fé, e sua saúde, que está em risco devido ao seu câncer. Depois do jantar, o padre McCue e Scully tem uma breve conversa sobre a igreja, mas a conversa é interrompida por um telefonema de Mulder. Ele diz que recebeu uma informação de algo descoberto no Canadá.

Mulder marca um encontro e Scully conhece Arlinsky e Smithsonian. Arlinsky reivindica que, baseado em amostras de gelo da cena, o estranho tem mais de duzentos anos. Ele pede ajuda aos agentes para investigar. Mulder e Scully voam para o acampamento que está abandonado. Unbeknownst é encontrado morto por um tiro de espingarda. Ao alcançarem a caverna, os dois encontram vários corpos.

Dentro da caverna existe um buraco retangular onde o corpo alienígena foi encontrado. Depois, Babcock, ferido mas vivo, conta aos dois que enterrou o corpo alienígena embaixo de sua barraca.

Enquanto isso, Scully e o cientista Vitagliano examinam amostras de gelo levadas da caverna. Depois daquela noite, Scully volta ao laboratório e é atacada e empurrada pelas escadas por alguém não identificado. A agente Hedin descobre que as impressões digitais encontradas na escada são de Michael Kritschgau, que trabalha para a divisão de pesquisa do Pentágono. Depois de ver um arquivo pessoal, Scully identifica Kritschgau como o atacante. Depois ela confronta Kritschgau no estacionamento subterrâneo do prédio do Departamento de Defesa onde ele trabalha. Mas Kritschgau adverte que, se ele for preso, as mesmas pessoas que deram o câncer à Scully o matarão.

Mulder e Arlinsky transportam o corpo alienígena para um armazém onde uma autópsia pode ser executada. Scully contacta seu parceiro do armazém e marca uma reunião para poderem ouvir a história de Kritschgau. Em seguida, o assassino, Ostelhoff, atira e mata Arlinsky e Babcock no armazém. Enquanto isso, Kritschgau reivindica que o governo vem orquestrando um plano elaborado para desviar a atenção de quem acredita em OVNIs. O cadáver alienígena, reivindica Kritschgau, foi forjado por materiais biológicos e depois congelados. Ele insiste que tudo que Mulder viu até hoje é uma mentira elaborada pelo governo. Mulder diz que Kritschgau é um mentiroso. Mas quando Mulder volta ao armazém, ele encontra Arlinsky e Babcock mortos e o corpo alienígena desaparecido. Depois disso, Scully conta a Mulder que os homens que lhe deram seu câncer fizeram isso a fim de fazê-lo acreditar. Mulder fica atordoado com a revelação.

Voltando ao dia atual, Scully diz aos funcionários do FBI que ela recebeu um telefonema do departamento policial pedindo que ela reconhecesse um corpo que estava no apartamento de Mulder. Lutando para segurar as lágrimas, Scully revela que Mulder morreu por um tiro auto-infringido em sua cabeça.

Continua no próximo episódio...

 

Bastidores

 

Vinte e um graus abaixo de zero. Na escala Fahrenheit (mais ou menos 30 graus Celsius abaixo de zero).

Era isso que os termômetros marcavam dentro de um armazém sem janelas em Burnaby, a leste de Vancouver. Dentro de um enorme espaço de armazenamento, de 25 por 7 por 10 metros, os membros da equipe técnica e do elenco de Arquivo X lutavam para que seu trabalho parecesse real, e para não se arriscarem a perder um dedo ou mais, em nome da arte. Para dar ao público e aos atores a sensação de que a ação estava de fato se desenvolvendo em um lugar remoto e gelado, todo o cenário, um dos mais elaborados e caros de toda a história de Arquivo X foi montado pela equipe de construção de Rob Maier, dentro de um prédio refrigerado, que fora originalmente projetado para armazenar costeletas de porco e comida congelada. Vários caminhões de madeira foram utilizados na construção do cenário. Toda a estrutura de madeira foi coberta com cerca de 2 mil metros quadrados de isopor, posteriormente "congelado" com água borrifada sobre a estrutura.

- Acho que deixei alguns dedos dos meus pés naquele estúdio - diz brincando o ator David Duchovny, ao se referir aos sete dias que passou filmando as cenas na caverna gelada.

Todos os envolvidos na filmagem tiveram de usar roupas muito quentes (vide memorando). Mas ninguém previa que pudessem explodir - por causa da temperatura extremamente baixa - os dois blocos de gelo cuidadosamente congelados (um como reserva), com os bonecos alienígenas de látex preparados por Toby Lindala, que deveriam ser retirados do gelo pelos montanhistas. Como medida de emergência, o diretor Bob Goodwin usou um alienígena envolto em plástico, projetado para as cenas da autópsia no banho quente e construído pela equipe de efeitos especiais de David Gauthier.

O outro grande problema de logística enfrentado por A Maior das Mentiras foi a filmagem das cenas externas na montanha. Para extrema frustração do produtor J.P. Finn, a escala de filmagem precisou ser mudada várias vezes, porque as tempestades e o acúmulo de neve prejudicavam a visibilidade, a mobilidade e até as operações com o helicóptero (isso aconteceu no começo de maio, uma época em que o problema que se esperava era a neve sendo derretida e o chão nu). Complicando ainda mais os problemas havia o fato de que A Maior das Mentiras seria o último episódio da temporada. Como os atores e a maior parte do pessoal envolvido na produção precisava ser liberado em uma data previamente estabelecida, seria extremamente difícil aumentas os dias de filmagem.

Também digno de um bom remédio para dor de cabeça era o fato de que os atores principais, esperando um breve período de férias antes que começasse a produção do filme de longa-metragem de Arquivo X, estavam quase exaustos. Embora ninguém soubesse na época, David Duchovny, cuja noiva secreta, a atriz Téa Leoni, visitou-o durante as filmagens de A Maior das Mentiras, estava para se casar uma semana depois. Parte do diálogo entre os cientistas nas cenas de abertura e encerramento não era claro, mas não poderia ser regravado com facilidade, porque a maior parte das pessoas vistas naquelas cenas de arquivo já haviam falecido.

ARQUIVO X: Memorando

Data: 28 de abril de 1997.

Para: Chefes de Departamento das Equipes de Filmagem

De: Louise Gradnitzer

Ref.: Filmagem no cenário da caverna gelada, a temperaturas abaixo de zero em locação em 6228 Bereford Street, Burnaby, Colúmbia Britânica.

Por favor estejam cientes de que o cenário da caverna é extremamente frio, com temperaturas que vão de -17 a -25 graus.

Eis uma lista de elementos de proteção recomendados: - roupas com forro de Goretex ou similar, jaquetas e calças de pele; ou roupas de baixo em lã pura; ou

- roupa especial para a prática de esqui, jaqueta com isolamento térmico especial, blusa; ou

- colete de lã pura, chapéu de lã, luvas quentes, luvas de trabalho (com forro de lã), botas de inverno (forradas contra o frio), etc.

Além disso, ajudem a manter a neve limpa. Por favor:

- não fumem, nem comam, nem bebam no cenário;

- não joguem qualquer tipo de sujeira no cenário.

A espeleologia não é recomendada devido à inclemência do tempo, e por favor cuidem bem das placas refletoras.

Divirtam-se no passeio.O infeliz ator James Sutorious, que precisou fazer-se de morto na banheira de autópsia do alienígena, teve de ficar imóvel debaixo d'água durante mais de um minuto. A supervisora de efeitos especiais Laurie Kallsen-George trabalhou intensamente na fase de pós-produção para remover as pequeninas bolhas de ar que ele deixou escapar (ela também criou, com o sistema de computação gráfica, as pequenas bolhas de sangue que flutuavam na superfície da água da banheira).

A primeira montagem de A Maior das Mentiras ficou longa demais em 12 minutos.

- Removemos muitas cenas de gente subindo pela montanha - diz o editor de roteiros John Shiban. Como já foi dito anteriormente, A Maior das Mentiras também foi completamente reeditado por Chris Carter, apenas dois dias antes de ser levado ao ar.

Mas aparentemente alguma coisa deu certo. O episódio final da temporada conquistou os mais altos índices de audiência do ano e, surpreendentemente, deu origem a uma onda de especulação de alcance nacional nos EUA, sobre a possibilidade de Mulder estar morto ou não.

Por exemplo: um artigo no Wall Street Journal (manchete: "A verdade está lá fora, e alguns destes fãs também") falava das teorias dos fãs sobre o método que haveria por trás da suposta loucura de Mulder. Algumas semanas depois, uma charge publicada na revista The New Yorker mostrava um homem gravemente deprimido, deitado no sofá de um psiquiatra. "Não vejo problema algum em um período limitado de pesar", diz o psiquiatra barbudo, "desde que você tenha sempre em mente o fato de que o agente Mulder era um personagem fictício". Até Chris Carter declarou-se surpreso com a reação do público. Não que isso o tenha desagradado. Viu tudo como um sinal de que os espectadores voltariam a assistir em massa o episódio duplo (ou de três partes, se somarmos A Maior das Mentiras) que daria início ao quinto ano de produção. Em outras palavras, a isca foi engolida e o anzol, preparado.

- Todo o enredo de A Maior das Mentiras girava em torno de uma fraude - diz Carter -, mas na verdade são feitas gigantescas revelações neste episódio. E é admirável o fato de termos conseguido fazer com que muitas pessoas achassem que Mulder poderia chegar ao extremo de suicidar-se, porque suas crenças lhe foram roubadas. - E ele acrescenta: - Veremos o tema continuar no começo da próxima temporada.

* O subtítulo foi mudado para "Believe the lie" ("Acredite na mentira").

* Gethsemane é o título original e particularmente carregado de lembranças, foi tirado diretamente da Bíblia. Na noite anterior ao dia em que foi crucificado, Jesus retirou-se para o Jardim de Gethsemane, para orar e ficar em vigília, e para lutar com o seu destino. Foi ali que Judas Iscariotes o traiu.

* Embora os irmãos de Dana Scully tenham sido ocasionalmente mencionados, e os tenhamos visto em flashbacks de O Vidente, da 1a. temporada, esta é a primeira vez que um deles aparece. A irmã de Scully, Melissa, foi assassinada no episódio do terceiro ano O Caminho da Cura.

* A quimera, que Scully explica ser uma célula híbrida de dois organismos, tirou seu nome de um mito grego a respeito de um monstro que solta fogo pelo nariz, que é descrito como sendo dotado de cabeça de leão, corpo de cabra e cauda de serpente. Outro significado da palavra é "produto da imaginação, fantasia, utopia, sonho".

* Michael Kritschgau é o nome de um professor de arte dramática com quem Gillian Anderson estudou.

* Scully fala da lei de Occam's Razor. Trata-se de um princípio científico que afirma: se as coisas forem iguais, a mais simples de duas explicações é geralmente a correta.

* A Maior das Mentiras assinala a primeira vez em que o ator Charles Cioffi (o chefe de seção Blevins) aparece na série desde o episódio-piloto.