4x03: "HOME" (O LAR)


Home, Pennsylvania: uma pequena cidade edílica é o último lugar que qualquer um pensaria em encontrar um recém-nascido com mal-formação enterrado em uma rasa sepultura. Esta terrível descoberta é o bastante para o xerife local, Andy Taylor, chamar o FBI. Embora as deformações da criança indiquem anormalidades genéticas múltiplas, Mulder e Scully acreditam que esta tragédia local não seja um Arquivo X; até que descobrem o reclusivo clã dos Peacock.

Há séculos esta família de fazendeiros vem vivendo no limite da cidade... no limite da civilização. Gerações de incestos deformaram seus corpos e suas almas em algo menos humano, e mais animal. Agora que a família está com três irmãos, Mulder e Scully suspeitam de que os Peacocks criaram um plano para proteger sua espécie... forçando uma mulher a ter uma gravidez involuntária.

Enquanto alguém (ou algo) observa os dois, Mulder e Scully exploram a residência Peacock e acham uma evidência sangrenta de um recém-nascido. Antes de prenderem os Peacock, a familia ataca. Depois daquela noite, os meninos de Peacock massacram o xerife e a esposa dele. Como Mulder diz, "eles eram homens da caverna".

Temendo a vida do prisioneiro dos Peacock, Mulder, Scully e o assistente do xerife invadem valentemente a casa. Eles descobrem o esconderijo da matriarca do clã, a Sra. Peacock, que é mãe da criança assassinada. E também a mãe orgulhosa de três filhos que farão qualquer coisa para ela. Com malícia e sorte, Mulder e Scully matam dois dos perigosos Peacocks. Na confusão, o menino mais velho e a mãe escapam no Cadillac branco. A mãe e o filho foram à procura de um novo lar.

 

Bastidores

 

Com esta semi-engraçada combinação (celebração?) de sangue, carnificina, incesto, sujeira genética e um dos mais adoráveis papais da TV americana, este episódio é particularmente memorável, não apenas para os telespectadores, mas para os censores da Fox também.

- Puxa! - exclama o diretor Kim Manners - Quando Linda Shima-Tsumo (a diretora de Padrões e Práticas) viu aquele bebê pela primeira vez, eu achei que ela teria um ataque do coração e morreria. Eu filmei muito mais seqüências do bebê, do que a quantidade que eles permitiram colocar no ar.

Outros integrantes da equipe de Arquivo X recordam diversas batalhas sobre as questões de bom gosto e dos fluidos biológicos que apareceram na tela. Os atores principais, no entanto, adoraram o roteiro de Morgan e Wong.

- Eu acho que foi maravilhoso. Um dos nossos melhores episódios - diz Gillian Anderson.

David Duchovny fala:

- Eu não apreciei O Lar logo que li o roteiro, nem quando começamos a filmar o episódio. Mas quando o trabalho ficou pronto, eu achei realmente engraçado, embora um tanto perturbador. Gostei muito do episódio.

Tucker Smallwood, que fez o papel do xerife Andy Taylor, é o primeiro de uma lista absurdamente longa de atores da cancelada série de Morgan e Wong, Comando Espacial (Space: Above and Beyond) que os dois recrutaram para trabalhar como convidado no 4o. ano de Arquivo X. Na mencionada série Comando Espacial, Smallwood fazia o papel do comodoro Glen Van Ross. Ator veterano, ele também fez um papel interessante como comandante da missão no filme Contato, com Jodie Foster.

O trabalho de filmagem de O Lar acabou registrando quase tantas surpresas como o próprio episódio. O Lar é motivo de orgulho para Toby Lindala, diretor do departamento de maquiagem da série, não só por modificar completamente a aparência dos atores que fizeram os papéis dos irmãos Peacock, mas por ter construído o grotesco bebê cheio de defeitos genéticos.

Uma cena em que Mulder e Scully provocam-se mutuamente e de maneira bastante sugestiva, no reduzido espaço de um armário na casa do xerife Taylor, chegou a ser filmada mas acabou sendo cortada. A casa que foi usada como residência da família Peacock, depois de ter sido proposital cuidadosamente arruinada pelos departamentos de arte e de construções, tinha sido usada uma vez antes, no próprio Arquivo X. Foi a casa de Harry Cokely em Aubrey, da 2a. temporada, e encontra-se localizado em South Surrey, perto da fronteira entre os EUA e Canadá.

O cantor, que imita a voz de Johnny Mathis em "Wonderful, Wonderful" no rádio do carro dos Peacock, quase foi o ex-produtor e diretor de Arquivo X e Millennium, David Nutter. Cantor profissional nos tempos de faculdade, Nutter apresentou-se como voluntário para esse trabalho. Infelizmente, no último instante o co-produtor Paul Rabwin encontrou outro homem que cantava extremamente semelhante a Mathis, e não poderia deixar de usá-lo nesta oportunidade.

Os porcos que aparecem na cena do chiqueiro com Mulder e Scully não foram gerados por computador. Foram alugados, com toda a sujeira e fedor que aparentam ter. Apesar do que diz o roteiro, eles estiveram o tempo todo desesperados para fugir do confinamento em que se encontravam e cair fora do trabalho. Por esse motivo, enquanto Anderson e Duchovny aparecem diante da câmera empurrando por trás os porcos, vários treinadores profissionais, escondidos por trás das câmeras, empurram os animais pela frente, em direção aos dois atores.

O Cadillac 1958, que foi usado como carro dos assassinos, os irmãos Peacock, estava praticamente a caminho do ferro-velho, depois de ter sido pintado na cor rosa e explodido durante as filmagens de outro programa de TV, e foi encontrado juntando ferrugem numa fazenda verdadeira, perto de Vancouver. Foi encontrado, alugado e "restaurado" por Nigel Hapgood, do departamento de transportes.

Enfrentando enormes pressões de tempo, Hapgood trabalhou apressadamente para estar sempre um passo à frente das câmeras, cortando o teto do carro e martelando no lugar cada parte da lataria ou dos frisos cromados que deveria aparecer em cena a cada dia de filmagem.

No entanto, Hapgood jamais conseguiu manter todos os sistemas mecânicos daquele monstro funcionando simultaneamente. Os freios foram a parte mais problemática. E isso nos faz lembrar aquele que talvez tenha sido o mais estranho de todos os incidentes relacionados com O Lar, de acordo com o diretor Kim Manners. Logo depois que o episódio foi ao ar, ele recebeu uma carta endereçada ao Arquivo X pela divisão Cadillac da General Motors. Balançando a cabeça admirado, Manners diz:

- Eles nos agradeceram por estarmos fazendo propaganda de um dos seus produtos no nosso programa.

* Glen Morgan afirma que deu o nome de Peacock para a família de assassinos por ter se lembrado de uma família que foi vizinha dos seus pais.