4x23: "DEMONS" (DEMÔNIOS)


Mulder, em um sonho, tem visões de sua infância, e vê sua mãe e seu pai discutindo sobre algo terrível que aconteceu em sua casa. Mulder desperta suado em um quarto de motel, e suas mãos e sua camisa estão manchadas de sangue. Ele telefona para Scully que vai para o motel ajudá-lo. Sofrendo de um lapso mental, Mulder não consegue recordar como chegou ao motel. Scully descobre que dois tiros foram disparados da arma de Mulder. Ela também localiza sangue em um carro que está estacionado na frente do quarto de Mulder que pertence à David Cassandra. Os agentes viajam até a residência dos Cassandra onde conversam com a empregada. Dentro da casa existem dúzias de pinturas de uma casa branca. Mulder percebe que já viu aquela casa, mas não consegue lembrar quando e por quê.

A empregada dá aos agentes o endereço da casa da pintura. Chegando na casa, Mulder tem um ataque que envolve lembranças de seu pai e o Canceroso ainda jovens em sua casa. Quando Mulder volta ao normal, os agentes entram na casa onde descobrem David e Amy Cassandra mortos.

É encontrado sangue de ambas vítimas na camisa de Mulder. O detetive Curtis prende Mulder. mas um relatório de toxicologia revela o anestésico Ketamine no sangue de Mulder e Amy Cassandra. Scully percebe que a droga poderia ser o motivo da perda de memória de Mulder. Pouco tempo depois, Michael Fazekas, um oficial da polícia, se suicida com um tiro na cabeça no banheiro da delegacia. Scully descobre uma ferida na testa do oficial, semelhante a que foi encontrada em Amy. O detetive Curtis revela que Fazekas era fascinado por OVNIs. No apartamento de Fazekas, Scully descobre uma revista sobre OVNIs que destaca uma fotografia de Amy, que acredita ter sido abduzida por alienígenas.

Um relatório retórico revela que a borrifada de sangue da camisa de Mulder não corresponde com o ferimento da testa de Amy. Curtis conclui que os Cassandra morreram de um assassinato seguido de suicídio. Os agentes descobrem que Amy estava vendo o dr. Charles Goldstein, um psiquiatra, a fim de relembrar suas memórias. Goldstein admite que usava um método de terapia não convencional onde ele usa impulsos elétricos no cérebro.

Mulder sofre outro ataque. Durante o ataque, Mulder tem outra visão e vê o Canceroso beijando a sra. Mulder. Mulder e Scully se dirigem para a casa da sra. Mulder em Greenwich. Lá, Mulder confronta a mãe. Ele a acusa de mentir sobre o fato de ela escolher Samantha em vez dele. Ele também a acusa de ser infiel ao seu pai. A sra. Mulder nega as alegações furiosamente. Mulder parte com o carro.

Mulder puxa a arma para o dr. Goldstein e o força a terminar o seu tratamento para fazer com que ele possa relembrar seu passado. Goldstein droga Mulder, e então lentamente abaixa uma agulha para a testa dele. A polícia chega à cena, encontra Goldstein e o prende, mas o paradeiro de Mulder é desconhecido. O psiquiatra conta para Scully que Mulder deixou seu consultório para “poder exorcizar seus demônios”. Scully o acha na casa em Quonochontaug, com sua arma na mão. Sob ataque, Mulder aponta sua arma para Scully. Ela tenta o convencer que o poderoso alucinógeno injetado no seu corpo está afetando sua mente criando as suas alucinações. Mulder dá um tiro, mas a bala acerta um espelho de parede atrás de Scully. Chorando, Mulder abaixa a arma. O medo de Scully se converte em condolência e ela conforta seu parceiro.

 

Bastidores

 

 

No começo da temporada de produção 1996-97, Bob Goodwin teve uma visão. - Eu vi Mulder despertando em um lugar estranho, sem saber como tinha chegado lá - diz o produtor executivo. - Melhorei um pouco essa idéia e apresentei a história a Chris, que estava precisando de roteiros e já vinha me pedindo há algum tempo que escrevesse um. Sem perda de tempo, o meu nome foi colocado na escala de produção.

Goodwin, que é chefe dos escritórios de produção de Arquivo X em Vancouver e tem a responsabilidade de dirigir o primeiro e o último episódios de cada temporada, já escreveu muitos roteiros para TV e para filmes de longa-metragem, mas o último deles fora para a série da NBC chamado Mancuso, FBI, que saiu do ar em 1990. Então, ele diz que engoliu seco e só encontrou tempo para escrever Demônios, sacrificando seis semanas de férias anuais que o seu trabalho lhe permite.

Goodwin admite alegremente que aproveitou para o enredo de Demônios muitos detalhes de Um Antropólogo em Marte (An Anthropologist on Mars), um livro de resumidos ensaios do neurologista e escritor Oliver Sacks. Em um estudo entitulado A Paisagem dos Sonhos (The Landscape of Dreams) Sacks conta a história de Franco Magnani, um homem residente em São Francisco, nascido na Itália. Sua vida é motivada por uma estranha habilidade - parcialmente atribuída à síndrome de Waxman-Geschwind, ou síndrome de Dostoyevsky - de lembrar cada visão, cada som e cada cheiro que sentiu na sua infância. Os quadros cuidadosamente pintados por Magnani mostrando vistas de Pontito, sua aldeia natal na Toscana, foram alvo de vários simpósios médicos e exposições de arte.

A idéia apresentada no episódio de que a síndrome de Waxman-Geschwind pode ser induzida por drogas e/ou impulsos elétricos não passa de um exemplo da criatividade do roteirista, assim como os óculos opacos aplicados ao rosto de Mulder pelo psicólogo dr. Goldstein.

- Eles foram baseados no "estimulador cerebral" da Nova Era que compramos - diz Goodwin. - A idéia é de que são relaxantes e ajudam a incentivar a criatividade, mas descobri que o que causam é confusão: assustaram completamente o meu filho de 12 anos e minha mulher (a atriz Sheila Larken, que faz o papel de Margaret Scully, mãe de Dana) ficou sem dormir vários dias por causa deles.

E também devem ter ficado sem dormir algumas das pessoas que assistiram ao episódio, porque raramente os astros principais de programas do horário nobre são submetidos a níveis de dor tão realistas e revoltantes. Mas, segundo Goodwin, Chris Carter achava que o episódio formava uma excelente ponte entre a experiência de Scully quase morrendo em Elegia e os acontecimentos apocalípticos do episódio final da temporada, que estava para vir.

Em comparação com as debilitantes convulsões cerebrais e desmaios de Mulder, a filmagem do episódio foi quase indolor. O papel do pitoresco chalé das montanhas, que Amy Cassandra pintava compulsivamente e onde acabou morrendo, foi desempenhado por uma velha e abandonada casa rural localizada em um pantanal de South Surrey, não muito longe do haras que aparece em Tunguska - A Pedra da Morte #1 e do viveiro de pavões de O Lar. A casa era de propriedade de uma mulher que mora em Maryland, que a havia herdado da avó. O prédio foi encontrado e alugado pela equipe de locações dirigida por Todd Pittston, e depois completamente restaurado, mobiliado e montado pelo departamento de arte dirigido por Graeme Murray, pelo departamento de construções de Rob Maier e pelo jardineiro chefe Frank Haddad. No entanto, a cabana não chegou a aparecer no episódio em seu estado completamente restaurado, mas apenas em fotos tiradas pelo diretor de arte Gary Allen. As fotos foram digitalizadas pela especialista em computação gráfica, Sally Hudson. Ela manipulou as imagens usando dois programas de computação: Adobe Photoshop e Fractal Painter, produzindo dezenas de "pinturas" impressas a laser para decorar as paredes da sala de visitas de Amy Cassandra. Depois, antes de iniciadas as filmagens, a casa e o jardim foram novamente destruídos, levando a casa de novo ao lamentável estado em que Mulder e Scully haviam visto pela primeira vez.

Durante a filmagem das seqüências do sonho de Mulder, o mecanismo de disparo da câmera de filmagem foi várias vezes ligado e desligado para criar a sensação de que a imagem estava "fora do tempo", na revelação final. No entanto, a maior parte das estranhas lembranças de Mulder foi criada durante a fase de pós-produção. As cores dessas seqüências foram alteradas durante a revelação do filme, sendo o negativo atingido por rápidos clarões de luz estroboscópica na hora do processo de fixação. O diálogo gravado e o barulho de fundo foram filtrados e alterados pelo pequeno exército de editores e mixadores de som da equipe do co-produtor Paul Rabwin.

De sua parte, David Duchovny diz que a tarefa mais difícil foi fazer a vinculação entre dois elementos do roteiro.

- Ali estava eu, recebendo furos na cabeça e enfrentando aquelas tempestades cerebrais - diz ele - e ao mesmo tempo andando por todo lado tentando resolver o caso. O desafio foi fazer os ataques e a recuperação parecerem realistas.

Este não é o episódio predileto de Gillian Anderson.

- Mulder, vá para o hospital! Mulder, vá para o hospital! - diz ela. - Eu tive de ficar repetindo a mesma coisa o tempo todo.

Quanto a Goodwin, embora se diga orgulhoso de Demônios, ele não acha que se tornará um dos membros da equipe de roteiristas de Arquivo X, nem pretende sussurrar outra idéia pata história na orelha do seu chefe tão logo.

- O projeto tornou-se uma pressão muito forte contra minha família - diz ele. - A coisa mais importante de que me lembro foi ter levado minha família para uma área de esqui, ao norte de Vancouver, para umas férias rápidas de três dias, comemorando o décimo sexto aniversário de meu filho. Minha mulher e filhos esquiaram e se divertiram, enquanto eu trabalhava no hotel. Fiquei em um hotel ao lado do deles, e trabalhei o tempo todo.

* Este foi o único episódio escrito pelo produtor de Vancouver R.W. Goodwin, e a segunda vez que um diretor ou membro da equipe escreve um roteiro para um episódio. O outro foi Grampeados, escrito pelo mago dos efeitos especiais de Arquivo X, Mat Beck.

* O carimbo de horário "9h25" representa o aniversário da filha de Gillian Anderson, 25 de setembro.

* Os personagens Amy e David Cassandra foram batizados em homenagem à profetisa grega Cassandra, que foi amaldiçoada pelo deus Apollo. À semelhança de Mulder, tudo que Cassandra dizia era verdade, mas ninguém acreditava nela.

* Durante uma cena entre a agente Scully e o investigador Curtis, no apartamento de um policial que havia cometido suicídio, os observadores cuidadosos podem ver a sombra de um membro da equipe movimentando-se na parede, atrás de Scully.

* Andrew Johnston volta como médico legista, tendo aparecido antes como coronel Budahas, em A Verdade Está Lá Fora, e como agente Weiss no episódio duplo A Colônia/Fim de Jogo. Jay Avocone, que faz o papel do investigador Curtis, era membro regular do elenco de A Bela e a Fera, uma produção do produtor executivo de Arquivo X, Howard Gordon.