5x05: "CHRISTMAS CAROL" (SURPRESA NO NATAL #1)


Scully e sua mãe viajam até a casa de Bill Jr. - localizada numa estação naval americana em San Diego - alguns dias antes do feriado do Natal. Lá eles são recebidos por Bill Jr. e sua esposa, Tara, que está esperando seu primeiro bebê. Não muito depois de sua chegada, Scully atende o telefone. Do outro lado da linha há uma mulher com a voz exatamente igual a da irmã falecida de Scully, Melissa. A voz diz a Scully, "ela precisa da sua ajuda". Nervosa, Scully pede ao FBI que identifiquem a chamada que ela recebeu, e a ligação é atribuída à residência dos Sim. Scully descobre que a casa é a cena de uma investigação criminal. O detetive Kresge permite seu acesso ao banheiro, onde uma mulher loura morta, a sra. Sim, está reclinada numa banheira cheia de sangue na água, aparentemente vítima de suicídio. Mais tarde, Scully observa o marido da vítima, Marshall, com sua filha de três anos Emily Sim. Scully olha para a menina, intrigada com seu rosto. O detetive Kresge diz a Scully que registros telefônicos realmente indicam que uma chamada foi feita da residência dos Sim para a casa de Bill Jr.. Mas, ao mesmo tempo, não há registro de ligação vinda de fora. Os registros também indicam que o telefone esteve fora do gancho por três horas.

 

Scully diz a sua mãe que está muito feliz por Bill e Tara... e admite que, como resultado de sua abdução, ela não pode conceber uma criança. Mais tarde naquela noite, Scully tem um sonho no qual um jovem Bill Jr. mata seu coelho de estimação. Durante o mesmo sonho, ela encontra a pequena Emily Sim. Scully é acordada por outra ligação feita pela mulher misteriosa. A voz diz a Scully para "ir até ela". A chamada é novamente rastreada à casa dos Sim, onde Marshall assegura Scully de que ninguém usou o telefone. De onde Scully estava na porta da frente, ela vê dois homens vestidos de negro sentados na mesa da cozinha. No dia seguinte, Scully pede - e recebe - todo o material relativo ao caso de Roberta Sim. Ela também liga para o FBI e pede o material sobre o caso da morte de sua irmã, Melissa. Depois de notar várias discrepâncias no arquivo, Scully faz uma autópsia no corpo de Roberta. Ela descobre a completa ausência de comprimidos no estômago da mulher. Entretanto ela percebe um pequeno ferimento de perfuração no calcanhar. Uma procura na casa dos Sim indica que uma seringa hipodérmica foi jogada no lixo. Marshall diz que Emily sofre de anemia e precisa de injeções diárias.

 

Scully diz a sua mãe que um teste PCR, que tem sessenta por cento de precisão, sugeriu que o DNA de Emily e de Melissa combinam (um teste mais compreensível estará disponível em alguns dias). Isto, e a inegável semelhança física entre as duas, leva Scully a concluir que Emily é filha de Melissa. Ela lembra sua mãe sobre um período em 1994 em que não se sabia onde Melissa estava... e especula que ela possa ter dado Emily para ser adotada. Mais tarde, Scully tem mais um sonho, durante o qual a sra. Scully lhe dá o crucifixo que ela usa em volta de seu pescoço. Quando Scully acorda, o detetive Kresge a informa sobre altos depósitos bancários feitos na conta de Marshall nos últimos dezoito meses. O dinheiro veio de uma companhia farmacêutica chamada Indústrias Prangen. Scully e Kresge entrevistam o dr. Ernest Calderon, que trabalha para a companhia. Ele explica que Emily estava participando de uma experiência clínica. Quando Roberta tentou tirar a filha do programa, a companhia concordou em enviar dinheiro a ela como um gesto de bom grado. Calderon também revela que ele prescreveu a Marshall injeções de sumatriptano depois dele reclamar de enxaquecas. Mais tarde, Marshall é preso pelo assassinato de sua esposa. Como resultado, Emily é colocada sob os cuidados do Serviço Social. Antes de Emily ser levada, Scully coloca sua cruz dourada em volta do pescoço da menina.

 

Marshall Sim confessa o crime. Mas Scully acha estranho que testemunhas tenham fornecido um álibi a ele. Ela e Kresge vão até a prisão, onde eles acham o corpo de Marshall enforcado em um laço improvisado. Mais tarde, Scully diz a seu irmão que o crime foi feito para parecer suicídio. Susan Chambliss, uma trabalhadora social, diz a Scully que seu pedido de adoção de Emily foi rejeitado. Scully diz que chegou a hora de colocar sua vida pessoal na frente da sua carreira. Cambliss promete rever o formulário final de Scully. Na manhã de Natal, Scully recebe um pacote de um entregador vindo do FBI. Os resultados dos testes finais de DNA revelam que Scully é a mãe de Emily.

 

Continua no próximo episódio...