7x01: "HUNGRY" (FAMINTO)


Pouco depois da meia noite em Costa Mesa, Califórnia, um jovem de cabelos compridos chamado Donald Pinkau estaciona o carro no drive-thru de um fast-food chamado “Lucky Boy”. Ele solicita o seu pedido através do microfone e recebe a resposta de que o estabelecimento está fechado. Donald Pinkau começa a gritar exigindo ser atendido, até que o uma voz vinda do alto-falante diz que irá atende-lo. Donald para o carro, mas ninguém o atende. Ele começa a escutar estranhos ruídos vindos da janela e se debruça para ver o que estaria acontecendo. Ele então é atacado e puxado para dentro da cozinha, onde só é possível escutar os gritos.


Três dias depois, Rob Roberts chega ao trabalho já uniformizado e, quando sai de seu carro, ao mesmo tempo, se auto-encoraja. Ele trabalha no balcão da Lucky Boy, quando Mulder e Scully entram no restaurante para investigar o assassinato e se apresentam como agentes do FBI. Eles pedem para ver o gerente, Sr. Rice. Os agentes dizem que o carro de Pinkau foi encontrado a dez milhas do “Lucky Boy”, com o corpo de Pinkau no porta malas. Junto com o corpo, foi achado um bottom do fast food. O Sr. Rice diz que o bottom é usado somente na sexta-feira e que todos os funcionários possuem aquele bottom. Mulder pede para os funcionários mostrarem os bottoms, e o único funcionário que não está com o seu é Derwood Spinks, que alega ter deixado em casa. Os agentes pedem pra que todos saiam para ser feita a perícia no local. Através do comunicador Rob escuta toda a conversa, inclusive a parte em que Mulder se refere sobre o cérebro de Pinkau ter sido comido através de um buraco no crânio dele. Mulder acha que o cérebro foi chupado para fora por uma lingua ou por um proboscíde. Scully não acredita na teoria de Mulder, afirmando que o buraco encontrado no crânio de Pinkau tinha apenas 3 cm. Mulder encontra manchas de sangue seca debaixo do balcão, afirmando ser pedaço de cérebro. Scully afirma ser somente carne de boi.


Rob vai para casa, direto para o banheiro, onde puxa da banheira um uniforme da Lucky Boy manchado de sangue. Ele não consegue tirar o sangue do uniforme e decide colocar em um saco de lixo. Após fechar o saco ele vai em direção a porta e escuta alguém bater - é o agente Mulder que veio fazer mais perguntas sobre a noite do assassinato. Rob disse que pediu para fazer hora-extra na sexta-feira e que havia jogado as sobras de carne no lixo. Mulder diz que essa atitude foi correta mas que não havia nada para ser coletado até terça-feira. Durante a conversa o saco com as roupas começa a vazar e algumas gotas de sangue começam a escorrer. Rob se assusta quando Mulder diz: “sangue” e aponta para o lábio dele. Rob diz que sem querer mordeu o lábio. Após Mulder ir embora, Rob coloca o saco em um caminhão de lixo, e percebe que seus dedos estão sujos de sangue e começa a chupá-los, quando percebe estar sendo vigiado por um homem dentro de um carro, pensando ser o agente Mulder. De volta ao apartamento, o telefone toca e a secretária eletrônica atende - é uma terapeuta, a Dra. Mindy Rineheart, de uma clínica na qual o “Lucky Boy” é conveniado. Ele olha pela janela e nota que ainda está sendo vigiado. Os dentes de Rob começa a sangrar. Ele então corre para o banheiro e tira uma espécie de dentes falsos e alguns de seus dentes reais com forma de dentes de tubarão caem junto. Ele corre para a sala e começa escutar um ruído estranho que vem de seu estômago. Desesperado ele coloca um vídeo de terapia motivacional a fim de controlar a sua fome. Ele se senta e começa a mascar chicletes dietéticos. Rob tinha consciência do que a sua fome seria capaz e fazia isso por não querer matar ninguém. Ao anoitecer, ele observa novamente a janela e percebe que o homem dentro do carro ainda o está vigiando. Ele sai do apartamento e vai em direção do carro. Ele revela os seus dentes para o homem que está fumando e o ataca. De manhã, Derwood Spinks arromba a porta do apartamento de Rob e o acorda. Spinks diz que o Sr. Rice o despediu na noite passada por ter descoberto que ele é um ex-presidiário e que está sendo o principal suspeito do assassinato de Donald Pinkau. Derwood resolve chantagear Rob por ter encontrado no fast food uma embalagem com comprimidos com suas impressões digitais, um dia após o assassinato, exigindo os equipamentos eletrônicos de Rob em troca do silêncio. Eles são interrompidos por uma mulher chamada Sylvia que pergunta a Rob sobre o carro que estava parado na noite passada. Rob diz não saber de nada. Spinks vai embora, dizendo para Rob não fugir da cidade. Depois de algum tempo Rob se prepara para ir trabalhar e é abordado por Mulder, que o adverte ter visto Spinks nas arrendondezas, alegando ser Spinks o principal suspeito do crime, mas essa não é a sua opinião e sim da policia local. Mulder diz que está procurando uma pessoa que tem compulsão para matar. Rob Roberts vai a uma sessão de terapia de empregados dirigida pela Dra. Rineheart. Durante a conversa ele pede conselhos de como dormir melhor, mas são interrompidos pelo telefone que começa a tocar. A Dra. vai atender, enquanto o estômago de Rob começa a fazer barulho. Ele olha para a cabeça da Dra. visando o seu cérebro. Ela está conversando com Mulder ao telefone e diz que não dará nenhuma informação a respeito de seus pacientes. Rob se levanta e vai embora porque não quer machucar a Dra. Rineheart. Ele alega estar sem tempo para terminar a sessão, pois tem que ir trabalhar. Rob Roberts chega para trabalhar no “Lucky Boy” e quando coloca alguns hambúrgueres para fritar na chapa ele tem uma ilusão de serem cérebros humanos. Spinks chega ao restaurante para receber o seu pagamento e quando sai ameaça Rob. Rob decide ir a casa de Derwood Spinks para pegar a embalagem de compirmidos, mas não o encontra em meio a outros frascos. Spinks chega na casa e nota a presença de um intruso. Ele rapidamente se arma com um taco de beisebol personalizado e encontra Rob. Ele diz que o frasco certo está no seu bolso e continua ameaçando. Rob então retira o disfarce (peruca, orelhas e dentes falsos) e ataca Derwood Spinks com os seus dentes afiados. Uma enorme língua sai de sua boca e atinge a cabeça de Spinks, depois acaba comendo o seu cérebro. Rob volta ao consultório da Dra. Rineheart pedindo ajuda, e admite ter uma desordem alimentar. A Dra. acha que é um problema comum pois não tem noção que Rob mata para se alimentar e indica uma reunião de pessoas que tem o “mesmo problema” que ele. Ao chegar no saguão do prédio onde mora, Sylvia diz que agentes do FBI estão no apartamento. Mulder e Scully conversam com ele e perguntam sobre o desaparecimento de Derwood Spinks. Rob diz que não sabe de nada. Mulder diz que os crimes podem estar sendo cometidos por uma espécie de monstro predador carnívoro, talvez um monstro com desequilíbrio genético que possui dentes afiados o suficiente para retirar os cérebros dos crânios das vitimas. Mulder diz que Scully encontrou um pedaço de dente parecido com o de um tubarão cravado no crânio de Donald, mas Rob Roberts diz que não acredita nisso e que tudo se parece mais com ficção cientifica de um programa de tv. Na reunião, Rob encontra com Sylvia, que o encoraja que ele se apresente. Rob se levanta e descreve o seu problema com sua alimentação. Ele diz ser um carnívoro compulsivo e que está tentando reconstruir a sua auto-estima. Enquanto ele fala, visa o cérebro de um dos membros da reunião. Ao chegar no prédio onde mora, sobe as escadas conversando com Sylvia, que depois entra em seu apartamento. Neste exato momento o seu estômago começa a fazer barulho. Rob vai à porta dela e bate. Enquanto ela vem atender ele retira os dentes falsos. De manhã Rob está na janela assistindo o caminhão levar o seu lixo onde o corpo de Sylvia está. Rob resolve simular um assalto e começa a quebrar tudo dentro do apartamento com o taco de beisebol de Derwood Spinks. Ele grita pedindo socorro aos vizinhos e dizendo para chamarem a policia. Rob toma cuidado para não deixar as suas digitais usando uma blusa para segurar o taco. Algum tempo depois os agentes estão no apartamento de Rob. Mulder analisa o taco de beisebol e nota que ele está personalizado com o nome “D. Spinks”. Ele conta para os agentes que Spinks o chantageou porque ele sabia que ele era o assassino e que o mataria se contasse a verdade pois na sexta-feira à noite eles ficaram até mais tarde no restaurante e que Spinks ficou lá para limpar a cozinha. Ao chegar em casa percebeu que tinha ficado com as chaves do depósito de lixo e voltou para entregá-las e quando chegou viu ele limpando uma poça de sangue. Mulder mostra uma foto de um detetive particular que foi contratado para investigar Sylvia, e o seu nome era Steve Kiziak e pergunta a Rob se ele o conhecia. Ele diz não conhecer. Os agentes decidem perguntarem a Sylvia, mas Rob avisa que Sylvia viajou. Rob está arrumando as malas com muita pressa, e enquanto ele junta as roupas a Dra. Rineheart entra no apartamento e pergunta o que está acontecendo. Ele diz que desistiu do emprego no “Lucky Boy” e que está indo passar uns tempos na casa de um amigo. A Dra. diz que quer conversar como uma amiga sobre o problema de compulsão, e ele diz para ela ir embora. Rob começa a gritar dizendo que não adianta ele querer ser algo que não pode ser e ir contra as regras da biologia. Ela diz que sabe que ele é o assassino e que descobriu durante a última sessão. Rob diz que está doente e vai fazer o que acha certo e que não adianta buscar ajuda. A polícia chega no local, as sirenes soam do lado de fora do prédio. Rob Roberts tira o disfarce e se revela um monstro. A Dra. Rineheart fica horrorizada. Mulder e Scully arrombam a porta com armas em punho. Mulder pede para Rob se afastar e diz a mesma coisa para a Dra. Rineheart, que tenta proteger o monstro pedindo para os agentes não atirarem. Mulder pede para ele se deitar, mas ele não obedece e o agente atira. Rob Roberts cai no chão sangrando e diz "- eu não posso ser algo que eu não sou", e sorri. A visão que temos é a partir dos seus olhos, e a tela vai escurecendo indicando a sua morte.

COMENTÁRIOS

- O diretor Kim Manners disse que gostaria de fazer mais episódios como esse e "Home" (O Lar), da 3a. temporada, com finais chocantes para o público.

 

- Os depoimentos abaixo são do livro "all things: Official Season 7 Episode Guide", de Marc Shapiro:


Vince Gilligan (roteirista): "Eu sempre quis fazer um episódio onde Mulder e Scully fossem os antagonistas em vez de protagonistas. A idéia era que Hungry seria somente do ponto de vista do monstro e a única vez que daríamos conta de Mulder e Scully seria pelos olhos do monstro. Eu sabia que fazer isso seria realmente um tipo experimental de episódio. Eu queria que houvesse um vilão que com o passar do tempo nós o entendessemos e passássemos a simpatizar com ele."

Frank Spotnitz: "O monstro era simpático porque ele não conseguia se ajudar. Ele não queria ser um monstro. Ele apenas era."

Chris Carter: "'Um episódio de monstro realmente bom'. Era mentalmente assustador e apenas um pedaço de uma idéia peculiar. Levou o nível de terror a um novo ponto alto."

Frank Spotnitz: "Havia algumas cenas onde Mulder e Scully estão juntos mas não estão no set no mesmo dia. Mas fizemos parecer que estavam porque usamos dublês. O principal era que sabíamos que estávamos assumindo um risco com este episódio pois damos ao ator coadjuvante a responsabilidade de carregar o episódio sozinho. Felizmente tínhamos um ator muito bom, Chad Donella."

Rick Millikan (diretor de elenco): "Escolher o elenco de episódios de monstros pode ser difícil porque você não quer ninguém que os espectadores achem que é um vilão óbvio. Sempre tentamos manter a verdadeira identidade do monstro escondida o máximo possível. E havia algo nos olhos de Chad que era assustador mas não era tão explícito."

Vince Gilligan: "Minha intenção para o final do episódio era que, no final, quando Mulder e Scully aparecem e matam o monstro, fazer com que a audiência esperasse que eles não aparecessem."