7x03: "THE SIXTH EXTINCTION" (A SEXTA EXTINÇÃO #1)



Na Costa do Marfim, Scully está supervisionando a retirada e estudando o gigantesco artefato enterrado na praia. Ela acredita que o mesmo é de origem desconhecida e pode explicar a natureza da doença de Mulder. Ao longo de todo o episódio Scully escreve no diário como se estivesse conversando com Mulder - isso se dá através de pequenos monólogos: "Eu vim aqui para a procura de algo que eu acredito não existir. Fiquei, apesar de tudo que eu acredito ser verdade e irei continuar aqui até quando eu puder e até quando você estiver curado dessa desconhecida doença que consome o sua mente. Mas o que é na verdade essa descoberta que fiz? Teria sido construída para você descobrir e depois fazer as conexões que não podem ser ignoradas?". Já é noite, e ela se encontra na barraca analisando algumas fotos do artefato, quando se assusta ao ver um nativo vestido à moda tradicional aparecer e desaparecer repentinamente. O silêncio toma conta por alguns instantes, e então a barraca é invadida por um enxame de gafanhotos voadores. No dia seguinte, uma bióloga, a Doutora Ngebey vinda da Universidade da Costa do Marfim, chega no acampamento. A descoberta de Scully ainda é um segredo mas mesmo assim ela consegue as informações e durante a conversa ela adverte Scully para não dizer nada aos trabalhadores sobre o acontecido com os insetos na noite passada. Eles encarariam isto como um sinal ruim. A conversa é interrompida quando um dos trabalhadores que está ajudando na remoção grita. O negro africano foi, de alguma maneira, literalmente queimado dentro da água. A Doutora Ngebey avisa ser uma outra advertência.


Em Washington, Mulder está internado no Hospital Geral de Georgetown e suas ondas cerebrais estão muitas altas. Skinner, que o observa através do vidro, decide entrar no quarto, e após tentar conversar com o agente acaba sendo atacado. Mulder tenta estrangular Skinner, que é socorrido pelos enfermeiros que atendem ao sinal de alarme acionado pelo médico. Mulder está totalmente agitado com um comportamento psicótico e frenético. Ele tenta ser acalmado pelos enfermeiros que o estão segurando. Ele grita desesperadamente. Skinner sai para o corredor sangrando e ao olhar para baixo observa seu bolso rasgado com um pequeno pedaço de papel escrito “Me ajude” em sangue. Algum tempo depois Skinner volta a ver Mulder, que não pode falar, mas consegue escrever na mão de Skinner, que o conduz a Michael Kritschgau (visto nos episodios "Redux" e "Redux II"), cuja carreira foi destruída testemunhando no Congresso sobre os acobertamentos do governo em uma conspiração. No hospital, Kritschgau reconhece a condição e os sintomas de Mulder como sendo os mesmos de antigos homens que haviam sofrido com testes experimentais da CIA. Kritschgau dá para Mulder uma injeção de Phenytoin, causando um efeito imediato, acordando Mulder. Diana Fowley chega e desconfia do porquê da presença de Skinner e Kritschgau no local, mas Skinner, em uma tentativa de manter os procedimentos dele com Kritschgau em segredo, manda ela sair. Mulder conta a Skinner que sabe sobre o acordo dele com Krycek, e que também sabe que não é do agrado de Skinner. Mulder diz que Kritschgau pode provar o que está causando os distúrbios e a condição dele. Kritschgau administra um teste para avaliar as habilidades de "visão remota” de Mulder. Inicialmente os resultados são modestos, mas quando Skinner acelera os testes a reação de Mulder é surpreendente, elevando os resultados à perfeição. Kritschgau diz que a CIA demonstrou que algumas pessoas possuem esta habilidade, mas isso nunca foi atribuído a alienígenas.


O Dr. Barnes chega ao acampamento na Costa do Marfim, nega ser um assassino e diz que foi ameaçado por homens do governo em Washington, mas ele sabe o que veio fazer naquela praia, pois dedicou boa parte de sua vida em busca de respostas que poderiam ser conseguidas através daquela descoberta. De repente, o mar ao redor do gigantesco artefato fica vermelho, igual a sangue, e Scully vê novamente a manifestação de um nativo vestido à moda tradicional. Algumas horas depois, os trabalhadores conseguem finalmente remover o artefato. Scully começa a analisar alguns mosaicos contendo estranhos caracteres e símbolos. O Dr. Barnes ajuda e traduz alguns, dizendo que na parte de cima do artefato os símbolos trazem referências à genética humana e sucessões de DNA. O fundo tem citações da Bíblia, Alcorão, Suméria Antiga e outras literaturas religiosas que se referem ao Dia do Julgamento Final, insinuando a origem dos humanos e das religiões como sendo extraterrestre, ao mesmo tempo ligando ao fato deles quererem destruir a nossa espécie. Diante de tudo, Barnes acaba tendo perturbações, ameaçando Scully e a Doutora Ngebey, enquanto diz que a descoberta é dele e que não irá dividi-la com ninguém, pois quer receber todo o crédito do achado. No acampamento, Barnes observa que os peixes mortos pegos por ele estão ressuscitando e voltando a vida. Ele acusa um dos nativos de praticar magia negra e de ser o responsável pela ressurreição dos peixes. Com ele distraído, Scully acerta o Dr. Barnes com uma cadeira e foge. Ela e a Doutora Ngebey fogem tomando um dos carros. No caminho Scully avista um nativo no meio da estrada com uma luz ofuscante e grita para que pare o carro. O homem na estrada é um dos nativos desaparecidos que está vestido da mesma maneira que sumiu na água, mas quando Scully fixa os olhos ele some e alguns segundos depois reaparece ao lado dela e estende a sua mão dizendo: "algumas verdades não são para você", e desaparece sem deixar pistas. Scully decide voltar a Washington, já que estabeleceu uma conexão com a descoberta inicial do Dr. Merkmallen.


Enquanto isso, em Washington, Skinner e Kritschgau injetam uma dose maior de Phenytoin em Mulder, a fim de tentarem trocar Mulder de hospital mas Diana Fowley e o médico proíbem. Depois da tentativa, Mulder começa a ter convulsões. Após ser medicado, Mulder conversa com Diana Fowley, embora o agente parecesse estar em estado catatônico. Diana confessa a Mulder que sabe que ele sabe sobre as lealdades dela a um homem que ele odeia, mas que ele pode “olhar” dentro dela e entender as razões. O motivo pela qual ela ache isso é devido a ele ter captado os pensamentos dela quando esteve em seu apartamento (em “Biogenesis”) e assim percebido que ela o traia, mas Diana diz: “Eu te amo e não o deixarei morrer... agora nós poderemos ficar juntos".


De volta ao acampamento, o motorista de Barnes entra na barraca aparentemente vazia, mas é surpreendido por Barnes, que o mata com um corte no pescoço. Barnes coloca o corpo do motorista perto dos peixes que voltaram a vida. Logo após, Barnes descobre que o corpo do motorista sumiu e decide procurar na praia, mas acaba sendo morto pelo motorista.


Scully está de volta a Washington e vai direto para o escritório de Skinner, onde ele conta o que está acontecendo com Mulder, que está em uma ala de baixa segurança e os médicos parecem saber o que está havendo de errado com ele. Ela diz que ele não está morrendo e que a causa de tudo isso é de origem alienígena. Ela usa suas credenciais de médica para entrar na ala especial do hospital e ver Mulder. O agente não parece estar prestando atenção, talvez devido aos fortes medicamentos. Scully conversa emocionadamente afirmando sentir que ele pode ouvi-la e que espera um sinal, e que se souber o que ela achou poderá esperar que o quebra-cabeça se resolva e encontrar as respostas para salvá-lo. Entre algumas lágrimas, Scully diz: "Mulder, por favor espere”.


Na Costa do Marfim, a Doutora Ngebey volta ao acampamento, acompanhada da polícia. Eles encontram Barnes, morto perto da água. A câmera repete o mesmo ângulo de subir como em “Biogenesis”, e vemos que o artefato já não está mais no lugar onde havia sido deixado pelos trabalhadores.


Continua no próximo episódio...

 

DEPOIMENTOS


Os depoimentos abaixo são do livro "all things: Official Season 7 Episode Guide", de Marc Shapiro:


Chris Carter: "Acho que, com 'The Sixth Extinction', eu fiz um papel coadjuvante e que o episódio, essencialmente o episódio do meio da trilogia, foi apenas um episódio de transição para chegarmos até 'Amor Fati', que é bem menos mitológico e mais sobre as escolhas de Mulder na sua vida."


Kim Manners: "Eu estava olhando para o episódio no contexto de uma história de três partes que tinha se iniciado em 'Biogenesis' e pensei, 'Mas que diabos isso significa?' Olhando para trás com calma, agora faz um pouco mais de sentido. Mas na época foi muito confuso para nós."


Frank Spotnitz: "Para mim, foi como se fosse um filme de monstro dos anos 50 com Scully na praia com aquele cara enlouquecido com uma machadinha na mão, o monstro ataca, e o mar de sangue. Sim, era para ser uma coisa séria mas, apesar disso, eu achei que estávamos montando uma hora de episódio bem divertida."