7x14: "THEEF" (A PERDA)


O doutor Robert Wieder chega em casa com sua família, após uma cerimônia em que ele foi homenageado. Como é muito tarde, seu sogro concorda em dormir por lá mesmo. Quando ele vai se deitar, limpa a cama que estava suja com terra, sendo que a sujeira tinha o formato de um corpo. Apesar de não ter sido programado, o alarme da casa dispara, detectando a presença de um corpo estranho. Wieder encontra seu sogro enforcado pendurado no teto. Ele chega a escorregar no sangue, mas consegue ligar a luz, enxergando na parede a palavra “Theef”, escrita com sangue.


Mulder e Scully vão até a cena do crime. Scully acha que a palavra na parede era provavelmente "thief" ("ladrão") mas teria sido escrita de forma errada. Ela questiona ao parceiro como aquele caso poderia ser classificado como um arquivo X, e Mulder responde que a sujeira encontrada sobre a cama sugere que o crime poderia estar associado a alguma maldição. Os agentes conversam com o doutor Wieder, que diz que seu sogro não tinha inimigos, o que reforça a suspeita de Mulder.


Em Foster City, Califórnia, a senhoria pede a um homem chamado Peattie que não cozinhe em sua sala. Ele responde que não está cozinhando, e dá alguns remédios para a mulher tratar a dor que sente nas costas. Dentro de seu quarto, Peattie faz bonecas de vodu. Uma delas está presa pelo pescoço. Na sala de autópsias, Mulder diz a Scully que a análise realizada na sujeira mostrou metano e compostos sulfúricos. Segundo ele, esses componentes remetem a Conjure Dust, um poderoso elemento que pode agir para o bem ou para o mal.


Eles conversam sobre o kuru, uma doença que atingia algumas tribos da Nova Guiné que comiam o cérebro de seus parentes. Scully afirma que o cerebelo do homem mostrou sinais de que ele tinha a doença, aparentemente extinta, e que talvez por isso ele tenha tido um acesso de loucura, cortando a garganta e se pendurando no teto. Mulder imediatamente pensa que a vítima teria adquirido a doença apenas alguns minutos antes de se matar, em virtude de uma maldição que teria recebido.


A sra. Wieder percebe o desaparecimento de uma foto em sua casa. Seu marido afirma que provavelmente essa foto foi levada pelo FBI como prova. Peattie encontra-se no recinto, e segura uma boneca vodu da mulher de Wieder. Wieder encontra sobre sua cama, no lado de sua mulher, a mesma sujeira vista na cama de seu sogro. Ela cai no chão, e sua pele começa a espumar, ficando bastante inchada. Ele pede para sua filha telefonar para a emergência. Fora da casa, Peattie segura a boneca nas mãos, e recita uma espécie de feitiço.


No hospital, o dr. Wieder conta a Scully qual foi o diagnóstico atribuído à sua mulher. Scully então explica a Mulder que essa doença é extremamente rara e muito incomum na Califórnia, podendo ser mais freqüente na África do Sul. Mulder diz a Wieder que desconfia que alguém deu a doença à sua mulher, mas o médico recusa-se a acreditar nisso. Scully lembra que independentemente das particularidades do caso, havia um intruso na casa, e que Wieder deveria ajudá-los nas investigações. Ele diz que precisa continuar o tratamento de sua esposa.


Olhando para os exames de sua mulher, Wieder vê a palavra “Theef” escrita no crânio dela. Peattie se encontra com Wieder no quarto, e diz que está fazendo isso por causa de Lynette Peattie. Wieder não se recorda de tê-la tratado. Verificando em seus arquivos, Wieder não acha referências sobre Lynette, mas encontra a pasta de Jane Doe, que morreu sob seus cuidados. Há um bracelete no arquivo, onde está escrito: “FLEX HAIR LAMB THEEF OF MAN’S HEART”. Enquanto isso, Peattie está novamente em seu quarto, preparando bonecos vodu de Wieder e de sua filha. A senhoria vai até o quarto para dizer a Peattie que o remédio para as costas foi muito bom, e pede um pouco mais. Ela sente um cheiro ruim, comenta sobre isso com Peattie, e ele responde que aquele cheiro é para o bem.


Numa loja de ocultismo, Mulder e Scully apresentam para a atendente um pouco da sujeira, e ela a identifica como “goofer dust”, ou "terra sagrada", um produto que colocado perto da vítima atrai infortúnio. Questionada sobre a possibilidade dessa substância causar doenças fulminantes, a mulher responde que para isso seriam necessários uma boneca vodu, três espinhos de rosas vermelhas, uma foto da vítima e um maço de cabelos, às vezes até de outras coisas. Provavelmente o responsável pela maldição é um feiticeiro, que retira suas forças de algo próximo, e que só poderá ser detido se for separado do seu feitiço.


Peattie pega um saco de pipocas numa máquina, e coloca uma das bonecas vodu no forno microondas quando ninguém está olhando. A senhora Wieder, que está sendo encaminhada para um exame, começa a queimar por dentro. Quando o dr. Wieder a retira da máquina, ela está completamente queimada. Em sua casa, Wieder finalmente assume para Mulder e Scully que acredita que sua mulher foi assassinada, e fala sobre o seu encontro com Peattie no hospital. Ele diz que a garota agonizava de dor e que piorava a cada instante, recebendo morfina para ter sua dor aliviada.


Mulder comenta que a morte de Lynette, possivelmente a filha de Peattie, destruiu a família dele, e que ele, agora, tentava fazer o mesmo com a família de Wieder. Ele pede que o médico os deixe protegê-lo. No cemitério municipal de Oakland, Califórnia, os agentes visitam o túmulo de Lynette. Mulder desconfia que ela seja o feitiço de Peattie, mas o caixão está vazio. Enquanto isso, a senhoria vai novamente à casa de Peattie pedir mais remédio. Como ele não se encontra no recinto, ela entra na casa e vê o esqueleto de Lynette sobre a cama. Ela grita e Peattie entra no quarto.


Mulder tenta proteger Wieder e sua filha mandando-os para uma cabana sob a supervisão de Scully. Mas Peattie, ainda atrás da filha de Wieder, vê tudo. Na casa de Wieder, Mulder assiste o noticiário, e fica sabendo que a senhoria de Peattie morreu de uma doença rara. Ele então descobre onde Peattie mora. Chegando lá, vê o esqueleto, que está sem a cabeça. Parte do feitiço foi levada por Peattie.


O agente fala com Scully na cabana, e pede que ela mantenha a guarda, pois Peattie deve estar próximo. Ele diz que está a caminho também. Já na cabana, Peattie olha o crânio da filha e diz: “Breve, muito breve...”. Ele então quebra a janela do carro de Scully, pega uma foto em sua insígnia e um fio de cabelo, que põe dentro de uma boneca vodu. Ele coloca alfinetes nos olhos da boneca e a deixa no banco do motorista. Dentro da cabana, Scully começa a sentir uma forte dor de cabeça. De repente, seus olhos ficam brancos e ela não consegue mais enxergar.


Peattie invade a cabana e tira a arma de Scully, que não consegue proteger a filha de Wieder, já que não pode ver. Wieder tenta argumentar com o homem, dizendo que aliviou a dor de sua filha quando ela estava sofrendo muito. Peattie não aceita as explicações, e diz que vai mostrar o que pode fazer. Ele pega uma boneca vodu e Wieder protege sua filha. Mas quando o alfinete é aplicado, o próprio Wieder é afetado. Scully grita, querendo saber o que está acontecendo. Mulder chega e encontra a boneca de Scully do lado de fora da casa, com alfinetes nos olhos. Antes que Peattie possa matar Wieder, o agente entra na cabana e atira pelas costas dele. Scully testemunha isso: ela pode enxergar graças ao parceiro, que tirou os alfinetes dos olhos da boneca.


No hospital, eles observam Peattie, e comentam o fato do corpo da filha dele ter sido removido para a Virgínia. Scully diz a Mulder que, se ela estivesse no lugar de Wieder, teria feito o mesmo diagnóstico para a menina, e teria agido da mesma forma. Mulder tenta adivinhar se Scully pensa que Peattie poderia ter salvado sua filha. Ela não responde, apenas olha melancolicamente nos olhos dele e sai. Mulder diz: “Me deixou de novo na dúvida”.

 

DEPOIMENTOS


- Os depoimentos abaixo são do livro "all things: Official Season 7 Episode Guide", de Marc Shapiro:


Frank Spotnitz: "Originalmente a premissa da história seria como você se livra de alguma coisa da qual você não consegue se livrar. Mas não conseguimos fazer funcionar dessa forma. Nós ficamos com isso e a história começou a envolver um tipo de situação meio 'Cabo do Medo' que colocava esse médico moderno contra esse homem com o poder do vodu dos Apalaches."

Kim Manners: "Foi um daqueles episódios em que não tivemos tempo para nos preparar. Foi tudo muito corrido e recebemos o roteiro muito em cima da hora. Nós estávamos totalmente viajando enquanto filmávamos. Nós realmente não sabíamos sobre o que diabos era a história enquanto a filmávamos."

Chris Carter: "O elenco de 'Theef' foi muito bem escolhido. Nós tivemos a sorte especial de conseguir Billy Drago para fazer o papel de Peattie. Houve também alguns momentos bem terríveis envolvendo pacientes de raios X, e eu achei que a cena envolvendo a máquina de MRI e a pipoca de microondas ficou bem bizarra. Eu também achei que criamos uma dessas falas clássicas de Arquivo X em 'Stinky's good.'"

Kim Manners: "Foi a primeira vez em que eu passei mal ao dirigir um episódio de Arquivo X. Estávamos filmando tarde da noite e pediram hamburgueres para comermos. Os sanduiches chegaram às onze mas eu estava muito ocupado para comer e acabei comendo um requentado mais tarde. Na manhã seguinte lá estava eu de joelhos fazendo amor com a bacia de porcelana. Recebi um médico em minha casa pois eu não podia sair da cama. Então eu chamei Rob Bowman às seis da manhã e ele dirigiu o episódio por um dia para mim enquanto eu me recuperava."

Kim Manners: "Quando eu olhei para o que foi filmado, parecia que eu estava olhando para um filme de outra pessoa. Mas ele foi muito bem editado e o resultado foi que 'Theef' se tornou um decente pequeno episódio."