8x04: "PATIENCE" (PACIÊNCIA)


Um agente funerário, George, entra em sua casa e sua esposa, na cama, o chama. Ela diz a ele que ele está fedendo a líquido para embalsamar. George sai do quarto para trocar de roupa quando vê uma enorme criatura pendurada do lado de fora, no teto, de cabeça para baixo. Quando a esposa de George vai ver o que aconteceu, a criatura -- que parece um morcego em forma humana -- está em cima dele, uivando, e parte para atacar a mulher.

 

No escritório dos Arquivos X, Scully olha para uma placa com o nome de Mulder, quando Doggett chega. Doggett diz que ficou no escritório todo o final de semana, verificando os Arquivos X, e ele quer saber como suas mesas serão arrumadas, mas Scully diz que aquele é o escritório de Mulder e que eles irão usá-lo por pouco tempo.

 

Scully mostra a Doggett um caso com duas mortes em Idaho. A causa das mortes foi perda de sangue causada por inúmeras mordidas, que parecem ser humanas -- mas sem motivo ou padrão. Doggett não consegue entender como uma pessoa pode morder outra até a morte.

 

Doggett e Scully viajam até o local do crime em Burley, Idaho. O detetive local, que ignora Scully, diz que eles não têm certeza que as mordidas são realmente humanas. Eles olham para uma pegada que tem quatro marcas de dedos e não parece ser nem humana nem animal. Scully percebe que só há uma pegada -- se fosse animal, haveria mais pegadas. Mas dentro da casa, Doggett encontra uma segunda pegada, e ele sugere que não há mais pegadas no quintal porque o que quer que seja não foi para lá. Ele acha que eles estão procurando por um criminoso humano com um pé deformado.

 

Scully encontra uma porta que dá num sótão, num closet. Doggett e Scully entram no sótão, que era usado como despensa, e eles encontram dois dedos que faziam parte do corpo de George. Há uma viga no teto que tem marcas que sugerem que algo estava pendurado ali em grandes garras. Enquanto isso, há outro terrível ataque, e desta vez a vítima é uma outra velha mulher.

 

Scully faz as autópsias e conclui que as marcas de mordida não são humanas. Elas contêm certas enzimas e anti-coagulantes que são características de morcegos. Doggett, enquanto isso, encontra artigos de jornais de 1956 que se referem a ataques similares nos quais várias pessoas foram mortas.

 

Eles chegam na casa da última vítima e examinam as marcas de garras. Scully consegue determinar que o corpo da filha da mulher assassinada foi encontrado no rio, horrivelmente queimado, apenas uma semana antes... e que a mulher não via sua filha desde 1956. Scully sente a conexão -- que os ataques originais aconteceram em 1956, e que a mulher não via sua filha desde então... e quando o corpo da filha aparece, os ataques recomeçam. Scully confessa que tudo é um palpite. Doggett diz que a maioria dos Arquivos X tem sido resolvidos com um palpite mas ele acha que palpites podem matar pessoas. Scully diz que o artigo que Doggett encontrou, descrevendo o morcego humano, também é um palpite.

 

Scully pede para que o corpo da filha seja exumado mas eles encontram o caixão já aberto e a tampa está arranhada. O caminhão leva o caixão embora, e quando o detetive é deixado para trás no cemitério de noite, ele é atacado pela criatura homem-morcego.

 

Seu corpo é levado ao necrotério onde outros oficiais confrontam Doggett -- se eles não tivessem ouvido aos agentes, eles poderiam ter perseguido aquela criatura. Eles dizem que Scully e suas teorias paranormais não são bem vindas na cidade.

 

Enquanto isso, Scully fica sabendo que a filha morreu de uma falha congestionante no coração e que ela foi queimada depois, na tentativa de se esconder alguma coisa. Scully acredita que o que quer que seja que está matando as pessoas o está fazendo como um animal com um propósito. Cada uma das vítimas teve contato com o corpo queimado. Doggett e Scully saem para encontrar o homem que descobriu o corpo no rio.

 

Eles encontram o homem, Myron, perto do rio, mas ele quer ficar sozinho. Doggett percebe que o irmão de Myron, Ernie, foi um dos três caçadores que mataram uma criatura meio homem meio morcego em 1956. O jornal dizia que Ernie desapareceu, e que Myron queria ficar sozinho.

 

Scully e Doggett ficam horas vigiando Myron se mover pelo seu quintal. Scully acha que ela está tentando juntar os fatos numa teoria coesa, e Doggett acha que ela está se esforçando demais para ser como Mulder. Mas ele não acha que ela esteja errada. Ele sabe que Myron está escondendo alguma coisa e espera que um bom trabalho policial os diga o que é. No celeiro de Myron, o homem-morcego está pendurado no teto.

 

Tarde da noite, Doggett e Scully assistem enquanto Myron manda latas de gás num pequeno barco pelo rio, para uma ilha. Eles investigam e encontram Ernie na ilha. Ele tem vivido lá sozinho por causa do seu grande medo da criatura homem-morcego. Morcegos são como os macacos na escala da evolução do homem, e ele sugere que algum homem pode ter sido gerado de morcegos, e aquela criatura é o resultado.

 

O corpo queimado era de sua esposa, que viveu isolada com ele por 44 anos. Acredita-se agora que a criatura esteja seguindo o cheiro de Ernie, detectado pelo corpo queimado, porque todos que foram mortos tiveram contato com o corpo. Ernie diz que a criatura só ataca à noite. Doggett sai para procurar por Myron, mas ele é atacado pelo homem-morcego. Eles lutam mas Doggett consegue se livrar da criatura.

 

Scully conversa com Ernie e fica sabendo que no momento em que ela e Doggett entraram ali, eles ficaram marcados. O homem-morcego vai esperar o máximo que puder. Então, um alarme de segurança toca -- alguma coisa está se movendo pelas árvores e ouve-se um barulho no telhado. Scully atira contra o teto, e vai para fora, mas Ernie percebe que a criatura está na lareira. Scully ouve o som da arma de Ernie, e ela volta para dentro, percebendo que agora a criatura saiu. Doggett aparece e o homem-morcego o ataca. Ele e Scully se afastam usando suas armas mas Doggett fica ferido.

 

De volta ao FBI, Doggett recebe um fax de Myron. Ele agora vai se esconder. Doggett acredita que ele próprio e Scully acertaram a criatura e que não haverá mais ataques. Ele diz a Scully que seus amigos no FBI estão fazendo muito barulho por causa de seu relatório sobre o caso, e Scully diz para ele se acostumar com isso. Ela agradece a ajuda dele, e ele diz que nunca viu isso como uma opção. Eles concordam em arrumar suas mesas no escritório dos Arquivos X. Scully põe a placa com o nome de Mulder dentro de uma gaveta.