8x10: "SALVAGE" (O HOMEM DE AÇO)


Nora e Carl lamentam pelo marido de Nora, Ray, que morreu recentemente. Carl trabalhava junto com Ray, e Nora diz que Ray ficou doente por ter lutado na Guerra do Golfo. Quando Carl pega o carro e vai embora, ele é surpreendido por um homem parado no meio da rua. O carro atinge o homem e parece se quebrar em volta do homem, como se este fosse uma massa de metal impossível de se mover. Carl está ferido mas, pelo vidro quebrado, ele vê Ray, que ele pensava que estava morto. Ray agarra Carl, que grita.

 

Scully e Doggett estão no local. O compartimento do motor do carro está quebrado ao meio, mas o corpo do motorista não está dentro do carro. O objeto no qual o carro bateu deveria ser tão forte quanto metal, os agentes concluem. Quando o carro é removido, são vistas duas marcas no chão parecidas com pegadas debaixo de onde estava o compartimento do motor. Nora aparece e está descontrolada. Doggett conversa com ela até que Scully o chama - ela encontrou o corpo de Carl. Há buracos na testa dele que parecem feitos com dedos ao inseri-los numa bola de boliche. A autópsia mostra que o corpo foi puxado pelo vidro pára-brisas e que há cinco buracos no crânio que combinam com as posições dos cinco dedos de uma mão humana. Enquanto isso, as digitais e o sangue encontrados no local são identificados como sendo de Ray e foram claramente deixados no local depois da morte de Ray.

 

Ray acorda numa pensão. Ele vai até um espelho e usa uma pinça para remover alguns pêlos de sua barba. Quando eles caem na pia eles parecem pequenos pedaços de arame. Doggett vai até a casa de Nora. Harvey também está lá. Ele é o dono de uma área que amassa e trata de carros velhos e coisas do tipo, e era o chefe de Ray e Carl. O corpo de Ray era para ter sido cremado, mas a pesquisa de Doggett não encontrou registros da cremação. Doggett pensa na possibilidade de Ray estar vivo ainda. Harvey diz que Ray era um bom homem que não podia caminhar nem levantar a própria cabeça um pouco antes de morrer. Enquanto isso, Ray está comendo no refeitório da pensão. Larina se aproxima, dizendo que ela pode ajudá-lo a sair dali e se oferece para conversar se ele quiser. Ele pede que ela vá embora, mas não antes dela ver que ele quase comeu sem perceber um pedaço do papel alumínio que estava em volta do sanduíche dele.

 

No ferro velho, Harvey pinta alguns barris com uma tinta azul, e então entra no seu escritório para jogar alguns documentos num triturador de papéis. Ray entra na sala. Harvey atira nele com uma arma e Ray é projetado para trás numa porta de vidro. Harvey encontra um braço decepado no chão, com o que parece ser metal saindo de dentro dele. Ray, sem um braço, aparece e Harvey grita.

 

Doggett estuda o corpo de Harvey. Há tinta azul nas unhas de Harvey. Ele vê que Harvey estava triturando papéis, e está claro que alguém foi atingido por um tiro de espingarda. É difícil de imaginar que alguém tenha sido ferido por aquela arma daquela forma, e depois tenha matado Harvey. Doggett encontra no triturador uma folha triturada parcialmente, e consegue ler parte do documento. Ray está de volta na pensão, se limpando. Os ferimentos feitos pelos tiros da espingarda parecem metais ao invés de pele ferida. Larina entra no quarto - pessoas viram sangue nele quando ele entrou e ela quer ajudá-lo, mas ele manda ela sair. Doggett visita a Chamber Technologies, a empresa que tinha o nome no documento parcialmente triturado. O dr. David Clifton, que tinha o nome no documento, não trabalha mais lá. Um cientista, sucessor do dr. Clifton, diz que todo o trabalho de Clifton era conceitual, desenvolvendo "metais inteligentes" que poderiam se reconstruir sozinhos. Os resíduos da empresa são sempre despejados legalmente.

 

Scully conclui que toda a estrutura celular de Ray foi transformada por ter sido exposta a alguma coisa. Doggett diz que um "homem de metal" só se vê nos filmes, e Scully diz, "tem certeza?". Norina vê as notícias na televisão sobre o assassinato de Harvey e liga para a casa de Ray. Scully recebe os testes sangüíneos de volta. É certamente o sangue de Ray, mas nele há metal suficiente para matar um elefante. Não faz sentido para Doggett. Ray tinha sido tratado por abuso de substâncias mas mudou sua vida, conheceu Nora e se casou. Ele é o tipo do homem do qual você iria gostar, e não um assassino. Scully diz que, mesmo que eles o encontrem, não saberiam como pará-lo.

 

O cientista está no seu computador na Chamber Technologies. Ray entra e o cientista consegue fazer com que Ray entre numa câmara de testes. A porta bate e se fecha, e Doggett e Scully correm para a sala junto com uma equipe da SWAT. Era uma armadilha para prender Ray. Ray começa a bater na porta, que tem uma face de quatro polegadas de metal, mas logo as batidas cessam e os agentes percebem que Ray escapou por outra parede. Scully olha de perto para o sangue deixado na parede de metal pela qual Ray escapou. O sangue está se transformando em metal. Quando eles levam o cientista para um lugar mais seguro, Doggett percebe que vários barris com conteúdo perigoso na Chamber Technologies estão pintados de azul.

 

Ray volta para seu quarto e Nora está esperando por ele. Ela não consegue entender por que ele não entrou em contato com ela, mas ele diz: "Eu não sou eu". Ele mostra a ela que seu corpo está se transformando em metal e ele quer fazer com que as pessoas que fizeram isso com ele paguem. Na área do ferro velho, Doggett examina alguns barris azuis de resíduos que ele tinha notado antes. Você pode ver ainda o logotipo da empresa Chambers sobre os quais Harvey pintou por cima. Doggett derruba um barril e um corpo sai de dentro dele, parecendo ser estranhamente metálico. É o dr. Clifton. Questionando a substituição de Clifton na Chamber Technologies, eles ficam sabendo que Clifton vinha trabalhando num composto que continha material genético, para dar memória a ele e fazer com que se reconstruisse sozinho. Ele sabia que estava morrendo mas ninguém sabia o que aconteceria com seu corpo. Os barris de resíduos eram para ter ido para uma unidade específica. Doggett vê Nora no corredor da empresa e corre para ver o que ela estaria fazendo num dos escritórios. Ela está no telefone com Ray, mas Doggett a interrompe. Ela confessa que estava procurando pelo nome da pessoa responsável mas diz que não teve tempo de dar o nome a Ray.

 

Uma equipe da SWAT chega na pensão. Ray sufoca Larina para fazer com que ela não o delatasse. Mais tarde, Doggett e Scully dizem a Nora que Ray matou Larina. Eles levam Nora para casa, que fica sendo vigiada, mas Ray consegue entrar. Quando ele sai, Nora corre para fora dizendo que Ray a fez falar o nome que ela tinha encontrado. O nome é Owen Harris. Ray intercepta o carro de Harris, como ele tinha feito com Carl, só que agora Harris parou o carro antes de atingí-lo. Ray puxa Harris para fora do carro e Harris implora por sua vida, dizendo ser apenas um contador, e perguntando por que Ray está fazendo aquilo. No carro, os filhos de Harris gritam aterrorizados.

 

Mais tarde, Doggett e Scully chegam. Harris está sendo examinado por uma equipe de uma ambulância. Harris autorizou o envio do material perigoso para a área do ferro velho, então ele é o responsável pela condição de Ray. Os agentes não entendem por que Ray fugiu mas fica claro para a audiência que o medo dos filhos de Harris no carro fizeram Ray recuar. Scully explica que o corpo de Ray morreu e o que restou na verdade não foi um homem, mas talvz o que salvou Harris e sua família foi um resquício de humanidade em Ray. Na cena final, vemos um carro sendo amassado no ferro velho. Ray está dentro dele, escolhendo ser amassado também.