9x03: "DAEMONICUS"


Uma pickup estaciona sem ser anunciada na frente da casa de Evelyn e Darren Mountjoy, enquanto o casal joga scrabble. Quando o cachorro dos Mountjoy começa a latir na porta da frente, Evelyn o deixa sair para correr para dentro da mata. Eles escutam o cachorro ganindo no lado de fora, e misteriosamente as luzes se apagam. Darren diz à sua esposa para se esconder no porão enquanto ele carrega seu revólver. Das escadas, ele vê o intruso se aproximando, e então atira. No entanto, Darren logo percebe que a pessoa em quem atirou foi sua esposa. Suas mãos e boca estão amarradas com uma fita gomada. De repente estranhos sons surgem atrás dele. São vozes, sussurros de trás para frente. Darren se vira e vê dois homens que se parecem com demônios, vindo em sua direção.

 

Na manhã seguinte, os agentes Reyes e Doggett vêem a cena do crime na casa dos Mountjoy, em Weston, West Virginia. Os corpos do casal estão posicionados sentados, na mesa da cozinha, e Evelyn tem uma arma colocada em sua mão. O quadro do jogo scrabble está na frente deles, em branco, exceto pela palavra "DAEMONICUS" escrita no centro. A palavra significa "satã" ou "possessão demoníaca". Doggett tenta fechar o caso como somente um tipo de ritual satânico, mas Reyes tem outras idéias além daquelas baseadas na realidade. Suas teorias são colocadas à prova quando três cobras ensangüentadas saem dos buracos de bala do peito de Evelyn.

 

Embora Scully esteja servindo como instrutora em Quantico, os agentes pedem que ela realize as autópsias. Evidências provam que Darren foi provavelmente enganado para atirar em sua esposa, e que ele foi forçado e atirou em uma cadeira. As cobras foram postas no corpo após a morte. Os fatos mostram que os assassinatos foram de obra humana, mas Reyes ainda acredita que sentiu a presença do mal na casa. Com a informação de que houve uma fuga de uma instituição mental das proximidades, Reyes e Doggett questionam a dra. Monique Sampson sobre seu paciente, Kenneth Richman. Richman era um médico que assassinou brutalmente seus próprios pacientes, mas não tinha um conhecimento prévio de rituais satânicos. A dra. Sampson lhes fala sobre um possível cúmplice -- Paul Gerlach, um guarda do hospital que sumiu recentemente.

 

Reyes e Doggett interrogam Josef Kobold, um ex-professor que é agora um interno próximo a cela de Richman. As respostas de duplo sentido de Kobold faz os agentes acreditarem que ele sabe mais do que quer dizer. Enquanto isso, os dois homens de aparência demoníaca, da casa dos Mountjoy, saem de sua pickup na mata. Um atira no outro com uma arma, então limpa o sangue de suas mãos. Mais uma vez se escuta um sussurro de trás para frente, mas ele parece estar vindo de Kobold. A dra. Sampson chama os agentes de volta à instituição quando Kobold pergunta por Doggett. O ex-professor fica repetindo a frase: "Príncipe dos Apóstolos". Kobold diz a eles que "Ele" está falando e matou novamente. Ele leva os agentes para a mata, onde o corpo de Paul Gerlach é achado pendurado de cabeça para baixo em uma árvore. Ele está usando uma máscara de demônio e está na posição de crucifixo, provavelmente colocado após sua morte. A frase "Príncipe dos Apóstolos" refere-se a São Pedro, que foi crucificado de cabeça para baixo. Isso é conhecido como o símbolo do anti-cristo.

 

Embora Doggett acredite que Kobold é um mestre na manipulação e está brincando com eles, Reyes está convencida de que Kobold pode, de alguma forma, os ajudar a achar o verdadeiro criminoso -- Richman. Eles voltam para Kobold novamente, e pedem por uma cela maior e com janelas. Doggett fica frustrado pois Reyes quer satisfazer todos os desejos do psicopata, mas Kobold é levado para outra sala, e o oficial Custer é designado para guardá-lo. Kobold confronta Doggett com informações pessoais de sua própria vida, que ninguém mais poderia saber. Doggett não se sente confortável, mas antes que possa deixar a cela, os olhos de Kobold se viram e um estranho som sai de sua boca - vozes, sussurros de trás para frente. Doggett chama por Reyes, que traduz as palavras como "médico" ou "doutor". Os agentes correm para a casa da dra. Sampson, que, sem saber, havia sido seguida pela mesma pickup. No entanto eles chegam tarde demais para salvá-la, achando seu corpo com uma dúzia de seringas hipodérmicas no seu rosto.

 

Scully relata que as seringas continham o mesmo medicamento com que a dra. Sampson havia tratado Richman, e que ele ainda é tido como suspeito. Doggett olha furioso para Kobold, tentando se segurar, sabendo que ele é o verdadeiro responsável pelos crimes. Kobold vê Scully tentar acalmar Doggett. Os sussurros de trás para frente aparecem novamente. De volta à instituição mental, Doggett tenta interrogar Kobold sobre seu conhecimento passado em satanismo. Kobold responde com insinuações de que Doggett está tentando competir com o há muito perdido agente Mulder pelo afeto de Scully. Doggett, com raiva, agarra Kobold, mas uma gosma laranja é violentamente expelida da boca de Kobold. Ele continua expelindo sem controle, enquanto Doggett chama por um médico.

 

Após um exame, Scully conclui que Kobold é completamente normal. Reyes suspeita que a bile laranja é um ectoplasma espiritual, mas Doggett não vai mais ser levado por mais nenhuma teoria inexplicável. Ele está convencido de que Kobold é um mentiroso que está jogando um jogo com eles. Enquanto o oficial Custer guarda Kobold, uma tempestade compete com os presentes sussurros. Custer é levado até a fonte desses sussurros, e olha na sala de Kobold. O rosto de Kobold muda de repente para uma máscara demoníaca.

 

Doggett chama Scully em seu carro. Kobold identificou algo chamado "Terra Feliz" como o lugar onde achar Richman. Scully reconhece o lugar como um antigo pier pelo qual ela passava para ir a Quantico, e ela vai até lá sozinha. No pier, Scully é atacada por um homem com máscara de demônio. Quando Doggett e Reyes chegam com uma tropa de soldados, Scully não é encontrada. Kobold está sendo mantido em um carro de polícia com algemas, e Doggett o ameaça para ele dizer onde Scully está sendo mantida. Tudo o que o professor pode dizer é: "O jogo acabou, Sr. Doggett. Você perdeu". Um tiro é ouvido no lado de fora do pier, e os agentes encontram Scully sã e salva, em um depósito abandonado. Richman, que a tinha na mira de uma arma até Doggett chegar, atira em si próprio. Reyes não consegue entender porque ele faria isso, mas Doggett entende rapidamente, e vai atrás de Kobold, que está escapando da viatura policial. Doggett atira no fugitivo, e Kobold, atingido, cai na água.

 

De volta a Quantico, Reyes e Doggett dizem a Scully que o caso não está totalmente resolvido. Fica entendido que Kobold cometeu os crimes de uma forma que eles estariam no caso, e fez uma pesquisa do passado deles pela internet. O corpo de Kobold, porém, não foi encontrado, mesmo tendo sido visto atingido. O corpo na água é na verdade do oficial Custer, o guarda designado para sua cela. Kobold selecionou suas vítimas sendo que partes de seus nomes formassem a palavra "Daemonicus". Ele queria que os agentes vissem o quão brilhantemente ele poderia derrotá-los em seu jogo. Quando eles perceberam isso, Kobold já estaria bem longe para ser pego. Reyes ainda não está sossegada. Ela sentiu a presença do mal e acredita que Doggett teve também a mesma premonição.