9x12: "SCARY MONSTERS"


Um garoto, Tommy Conlin, está na cama à noite. Barulhos o assuntam e ele chama seu pai, que aparece na porta do quarto. Tommy implora ao seu pai que ele olhe embaixo da cama. Alguma coisa corre quando o homem olha, mas ele diz ao filho que não há nada lá e que é somente a sua imaginação. Sr. Conlin fecha a porta, mas logo depois Tommy salta da cama gritando. Ele tenta abrir a porta, mas seu pai está segurando a fechadura e a porta não se abre.

 

Na Academia do FBI, Scully é abordada por Leila Harrison, que participou de uma missão desastrosa dos Arquivos X no ano passado. Ela está de volta na contabilidade, mas achou algo que tem certeza ser um Arquivo X. Uma secretária do FBI de Baltimore usou um veículo do governo sem permissão e foi achada morta com 16 facadas no estômago. Seu filho disse para a avó que sua mãe havia sido morta por monstros, e que seu pai sabe sobre isso. Scully olha o relatório do legista mas não encontra nada que sugira um Arquivo X. Leila ainda fala que o gato da família também foi morto. Scully brinca dizendo que a não ser que Leila traga o gato, não há nada que ela possa fazer. Nessa noite, em casa, Scully recebe um telefonema de Reyes. Reyes, Doggett e Leila estão a caminho da Pennsylvania, onde Conlin levou Tommy para uma casa ao topo da montanha. Scully diz a Reyes que não acredita haver um caso, e Doggett começa a dar a volta com o carro. Leila argumenta que eles já foram tão longe para ter certeza de que Tommy estaria bem e ainda diz que o Agente Mulder não voltaria.

 

O sr. Conlin está enterrando alguma coisa quando os agentes chegam. Eles explicam o porquê de estarem ali e lhes é dito que Tommy está dormindo. Tommy, no entanto, vem até a porta. Eles perguntam sobre os monstros e ele responde, "Monstros não existem". Conlin leva Tommy para dentro mas Doggett acha suspeito. Ele quer conseguir um mandado de busca. O carro dos agentes não dá a partida, e algo espirra na janela do carro, aparentemente sangue. Embaixo do capô, parece que algum tipo de animal entrou no motor. Olhando de dentro, Tommy diz ao pai que os monstros não deixarão os agentes do FBI irem embora. Um homem, Gabe Rodder, vai ao apartamento de Scully tarde da noite. Ele entrega para Scully uma caixa que possui um cheiro terrível. É o gato de Conlin, Sparky. Leila disse que só sairia com ele se ele conseguisse o gato para Scully, então ele entrou sorrateiramente na propriedade de Conlin para conseguir. Scully quer que Gabe leve o gato, mas nota algo sobre o corpo do animal. Os agentes então dentro da casa de Conlin. A pickup de Conlin também não funciona e eles estão presos lá. Eles asseguram, ao menos, que enquanto estiverem lá, poderão manter Tommy a salvo. Enquanto conversam, Tommy dá um grito e os agentes correm escada acima para ver Conlin mantendo a porta do quarto fechada enquanto Tommy tenta sair. Eles abrem a porta do quarto e vêem Tommy sendo ameaçado por insetos parecidos com escorpiões gigantes. Doggett atira em um, mas a parte separada instantaneamente se transforma em um outro inseto.

 

Mais tarde, os insetos desaparecem sem deixar vestígios. Tommy diz a Doggett que são esses os monstros que machucaram sua mãe, mas que seu pai disse para não falar sobre isso. Doggett vai até Conlin, que diz estar fazendo seu melhor para lidar com a situação. Ele avisa que os monstros matarão cada um dos agentes, e que não há nada que possa ser feito. Enquanto isso, Scully está fazendo uma autópsia no gato, na mesa da cozinha, sob o olhar de Gabe. Parece que o gato tentou destruir seu próprio estômago, semelhante ao modo como a sra. Conlin se esfaqueou no estômago. Não havia nada em seu interior, no entanto. Scully fala com o xerife do condado onde Conlin mora. Ele diz que foi chamado até a casa de Conlin umas duas semanas antes e entrou em uma discussão com o sr. Conlin. Ele diz que as estradas estão muito congeladas e tornaram-se perigosas, mas Scully está preocupada com a segurança de seus companheiros. O xerife diz que vai tentar chegar lá. Doggett desenterra o que Conlin estava enterrando no momento em que os agentes chegaram. São os pedaços de um espelho quebrado. Conlin diz que Tommy estava com medo do espelho. Doggett ordena que Conlin pegue suas coisas pois estão em perigo e irão sair dali. Enquanto preparam-se para sair, o xerife chega. Ele diz a eles, no entanto, que não poderão sair por causa das estradas. O sr. Conlin começa a gritar dizendo que aquele não é o xerife, e Doggett e o homem começam uma luta. Quando Doggett o acerta, seu punho vai fundo no peito do homem e o homem desmaia.

 

Reyes determina que o aparente xerife não possui órgãos internos e o que aparenta ser sangue não é realmente sangue. Doggett e Reyes falam sobre as experiências de Mulder e Scully mas não conseguem achar um meio de resolver esse caso. Doggett conclui que nada faz sentido, e que talvez seja isso que eles precisem compreender. Reyes leva Tommy para cima enquanto Doggett e Leila falam com Conlin novamente. Conlin diz que manteve a porta de Tommy fechada pois sabe que os monstros não irão machucar Tommy. Ele mostra cicatrizes em seu braço onde os insetos quase o mataram. Tommy mostra diversos desenhos para Reyes, incluindo alguns dos insetos. Então mostra para ela um desenho da própria Reyes com um inseto dentro dela. Ela fica apavorada mas ele diz que só desenhou porque está com medo. Scully e Gabe chegam ao escritório do xerife na Pennsylvania. O xerife acabou de voltar mas as estradas estão cheias de gelo. Ele diz que não há como chegarem lá em cima. Leila esta pensando se Tommy não seria o centro de tudo isso quando os agentes se dão conta de que o corpo do falso xerife desapareceu. Reyes tropeça escada abaixo com extrema dor em seu estômago. Algo se move dentro dele. Conlin diz que é a imaginação de Tommy e ele não consegue parar. Doggett vai ao andar de cima e encontra Tommy no corredor. Quando segue Tommy até o quarto, o quarto não está lá e Doggett cai em um lugar fundo e escuro. Insetos saem da escuridão e o cobrem.

 

Leila está segurando Reyes que está gritando para tirar aquilo dela. Os olhos de Leila começam a sangrar. Tommy desenhou um retrato de Leila com seus olhos sangrando. Conlin vai até o andar de cima ao quarto de Tommy, mas Doggett agarra sua mão antes que Conlin possa abrir a porta do quarto. Essas coisas não estão acontecendo, diz Doggett. Ele diz que não acreditou no que estava acontecendo e, como resultado, os monstros não puderam machucá-lo. Tommy vê Doggett levando os outros para o carro. Doggett volta para a casa, carregando um latão de gasolina, e confronta Tommy, que a essa altura já desceu as escadas. Tommy desafia Doggett dizendo que este não irá machucá-lo, mas Doggett derrama o líquido ao redor da sala e joga um fósforo. Fogo se espalha pela sala. De repente, os olhos de Leila não estão mais sangrando. A dor do estômago de Reyes desaparece. Scully chega em um jipe com um limpa-neve na frente. Os agentes entram na casa e Doggett está lá com Tommy, que está inconsciente. Não há fogo. Doggett havia colocado água no latão, mas não foi isso o que Tommy acreditou.

 

De volta ao escritório, Leila faz sua primeira visita aos Arquivos X com Gabe. É aqui onde a mágica aconteceu, e ainda acontece, ela conclui. Ela cumprimenta Doggett por ter resolvido o caso, dizendo, "sua falta de imaginação salvou nossas vidas". Tommy está em um centro psiquiátrico. Os psicólogos não sabem o que fazer do caso dele, mas encontraram um meio de conter sua imaginação. Tommy está em um quarto com muitas TVs, todas ligadas em diferentes canais.